A maior performance da História do Brasil

No segundo turno das eleições, pessoas saíram de casa para votar com um livro na mão

Um ano bom, ao menos para o mercado de arte

Após o baque inicial por conta da pandemia, galerias brasileiras se recuperam e apresentam resultado positivo no ano em que foram forçadas a migrar para o ambiente virtual
Foto horizontal, preto e branco. Em meio à coreografia, João Paulo Lima tem as duas mãos e o único joelho apoiados no chão, mantendo as costas alinhadas, em uma prancha sobre o joelho. Está de perfil. Ele utiliza um figurino que remete às práticas de bondage e sadomasoquismo, com a maioria da pele exposta, semi-nu. Essa foto é um still do espetáculo DEVOTEES, apresentado no programa Zona de Criação, do Hub Cultural do Ceará PORTO DRAGÃO.

O [não] mercado da inclusão

No Brasil, mais de 12 milhões de pessoas têm alguma deficiência física ou intelectual, o que corresponde a 6,7% da população segundo dados do...
Integrante da plataforma Piscina, Juh Almeida expôs a obra A woman speaks no SP-Foto VR

Politizando o mercado de arte: como novas propostas têm trazido à...

*Por Ana Letícia Fialho e Luciara Ribeiro O resultado das últimas eleições, tanto no Brasil como nos EUA, foi marcado por presenças que, de alguma...
IA e arte Ai-Da Robot

Os robôs serão os artistas do futuro?

Arte realizada por Inteligência Artificial gera reflexões sobre a natureza da criatividade, a importância da experiência na criação e as barreiras éticas do desenvolvimento tecnológico
Gustavo Nobrega

Não queime depois de ler

Entusiasta da arte correio, Gustavo Nóbrega, diretor da Galeria Superfície, quer fomentar o interesse por peças do movimento no colecionismo

Um vasto arquivo público sobre a curadoria no Brasil

Em mais de uma centena de entrevistas realizadas virtualmente com curadores, Raphael Fonseca apresenta a pluralidade de profissionais do país, suas histórias, pesquisas e as dificuldades para se trabalhar em um mercado bastante precário
Mercado de arte quarentena

A roda que segue girando, agora pela internet

Feiras de arte tradicionais como Basel e Frieze, além de inéditas como Not Cancelled, movimentam as vendas das galerias brasileiras por meios virtuais e levantam discussões sobre o esgotamento de um modelo baseado em deslocamentos incessantes pelo globo
“Chuck Coma sofreu uma lesão cerebral por hipóxia depois que seu colega de cela o estrangulou na penitenciária federal em Lewisburg, Pensilvânia, privando seu cérebro de oxigênio. Desde então, ele tem sofrido de perda de memória, alterações extremas de humor e tremores ocasionais. No momento de sua prisão, Coma estava lutando contra um grave PTSD devido ao serviço militar no Panamá e na Guerra do Golfo. Antes das guerras, ele era um pouco encrenqueiro, mas não tinha problemas sérios com a lei. Quando ele deixou o serviço, não conseguiu segurar um emprego e começou a assaltar bancos”. Shelton, Washington. EUA. 2019. | Crédito: Peter van Agtmael/Magnum Photos. Cortesia do fotógrafo.

O que acontece quando nós desfazemos o mundo?

Trabalhos de Peter van Agtmael, Steve McQueen e Emily Jacir refletem sobre conflito e não nos deixam esquecer de suas consequências cruéis
IA e arte Ai-Da Robot

Will robots be the artists of the future?

Art created by Artificial Intelligence generates reflections on the nature of creativity, the importance of experience in creation and the ethical barriers of technological development