Júlio Villani: Alinhavai Galeria Raquel Arnaud , R. Fidalga, 125 - Vila Madalena, São Paulo - SP, 05432-070
Em Alinhavai que apresenta na Raquel Arnaud, simultaneamente a sua outra individual na cidade, Por um fio, na Galeria Estação, Villani traz algumas pinturas recentes de grande formato da série Collapsible architecture. A ideia de desequilíbrio permeia os trabalhos, de tal forma que, para o artista, a retirada de uma linha poderia levar ao desmoronamento de toda a estrutura. Estão presentes, também, os Tamboretes, esculturas de madeira que reapresentam em escala aumentada o que no início eram diminutas montagens de objetos. Os bordados costurados sobre antigos lençóis garimpados em mercados de pulgas parisienses, que não eram apresentados no Brasil desde sua exposição na Pinacoteca em 2002, também estão na mostra, que conta ainda com esculturas em metal e seus divertidos brinquedos.
11:00 - 16:00
De 15 de junho de 2019
a 24 de agosto de 2019
Júlio Villani: Por um fio Galeria Estação , Rua Ferreira de Araújo, 625 – Pinheiros SP
“Do bestiário de Artur Pereira aos bichos de Lygia Clark, da Baleia de Graciliano Ramos ao Burrinho Pedrês de Guimarães Rosa, não faltam animais prodigiosos na arte brasileira. Cumpre agora integrar as criaturas de Júlio Villani a essa fauna – tomando-se, porém, o cuidado de preservar sua singularidade no seio dessa família imaginária”, escreve Samuel Titan no texto sobre esta exposição na Galeria Estação, cujo elenco primordial é formado pelos grandes mestres da arte de raiz, oriundos de todos os cantos do Brasil.
11:00 - 18:00
De 15 de junho de 2019
a 27 de julho de 2019
Eduardo Navarro: Predição Instantânea do Tempo Pivô , Av. Ipiranga, 200 - República, São Paulo - SP
O trabalho de Eduardo Navarro investiga possíveis pontos de convergência entre arte e ciência, dedicando especial atenção às possibilidades de diálogo entre espécies. O artista frequentemente trabalha com colaboradores de diversas áreas técnicas que o ajudam a desenvolver dispositivos especiais para medir, mapear e investigar os efeitos dos fenômenos naturais na experiência humana, abrindo assim novas possibilidades de contato e interação com o nosso entorno imediato. As performances e instalações de Navarro, muitas vezes dependem de artistas, bailarinos e voluntários para acontecer. Suas propostas envolvem desde de coreografias complexas até desenhos comestíveis, em que ele parte de experiências sensoriais para colocar em cheque a separação ocidental entre natureza e cultura.
15:00 - 17:00
De 15 de junho de 2019
a 27 de julho de 2019
Anaísa Franco: Psychosomatic Series Galeria Lume , Rua Gumercindo Saraiva, 54 - Jardim Europa, São Paulo
"Nada está no intelecto sem antes ter passado pelos sentidos." A afirmação é do filósofo grego Aristóteles, autor da teoria de que o ser humano percebe o mundo através de cinco sentidos: visão, tato, olfato, paladar e audição. A obra de Anaísa Franco faz valer a tese. A artista combina arte e tecnologia para dar vida a esculturas e instalações sensoriais, nas quais o pensar é ativado pelos sentidos. Um conjunto destas criações será exibido em Psychosomatic Series, mostra individual que ela apresenta a partir de 18 de junho, na Galeria Lume.
19:00 - 18:00
De 18 de junho de 2019
a 3 de agosto de 2019
Marcelo Silveira: Compacto mundo das coisas Galeria Nara Roesler , Av. Europa, 655 - Jardim Europa, São Paulo - SP
A Galeria Nara Roesler | São Paulo inaugura no dia 8 de junho uma nova mostra do artista recifense Marcelo Silveira, com curadoria de Daniel Rangel. Intitulada Compacto mundo das coisas, a exposição apresenta cinco séries de obras, unidas por afinidades estéticas, conceituais e processuais em que o artista se apropria do “mundo das coisas” para realizar desenhos, esculturas e instalações através de cartões postais, pedaços de cadeiras, plásticos e livros.
11:00 - 16:00
De 8 de junho de 2019
a 3 de agosto de 2019
Crash Zipper Galeria , Jardim América: r. Estados Unidos, 1.494
As interseções entre autobiografia e ficção aparecem como o eixo central da coletiva “Crash”, abrigada no programa Zip’Up. A convite da curadora Fernanda Medeiros e da artista Romy Pocztaruk, os artistas emergentes Camila Svenson, Enantios Dromos, Henrique Fagundes e Pedro Ferreira ocupam o andar superior da Zipper com trabalhos que partem dos universos próprios dos artistas para criar narrativas ficcionais com elementos de seus repertórios visuais e afetivos.
12:00 - 18:00
De 15 de junho de 2019
a 27 de julho de 2019
A linha como direção Pinacoteca , Praça da Luz. 2 11 3324-1000
A Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo apresenta, de 15 de junho de 2019 a 3 de fevereiro de 2020, a exposição A linha como direção, que ocupa o segundo andar da Pinacoteca Estação. Com curadoria do Núcleo de Pesquisa e Curadoria do museu, a mostra apresenta 12 esculturas e relevos, pertencentes ao acervo da Pinacoteca, que tem em comum o fato de apoiarem-se no elemento geométrico da linha para criar sua espacialidade, retendo, de maneira direta ou indireta, alguns dos questionamentos propostos pelo construtivismo no início do século XX. A realização dessa exposição foi possível graças ao apoio da Lei de Incentivo à Cultura.
11:00 - 18:00
De 15 de junho de 2019
a 3 de fevereiro de 2020
Oskar Metsavaht: Divina Geometria Museu de Arte Sacra de São Paulo , Av. Tiradentes, 676 - Luz, São Paulo - SP, 01101-010
O Museu de Arte Sacra de São Paulo – MAS-SP, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, exibe “Divina Geometria”, de Oskar Metsavaht, com curadoria de Marc Pottier. A partir de um mergulho na construção da estátua modernista em concreto armado, o artista apresenta uma leitura contemporânea de sua simbologia, trazendo a experiência da contemplação do sol como um arquétipo da espiritualidade e da racionalidade humana através da adoração do divino.
11:00 - 18:00
De 15 de junho de 2019
a 1 de setembro de 2019
A noite não adormecerá jamais nos olhos nossos Baró Galeria , R. da Consolação, 3417 - Cerqueira César, São Paulo - SP, 01416-003
A Baró Galeria inaugura a coletiva “A noite não adormecerá jamais nos olhos nossos”, com obras de Aline Motta, Bruna Amaro, Carolina Ricca Lee, Gabriela Monteiro, Heloisa Hariadne, Igi Ayedun, Juliana Santos, Lidia Lisboa, Luiza de Alexandre, Lyz Parayzo, Mariana Rodrigues, Micaela Cyrino, Monica Ventura, Rebeca Ramos, Renata Felinto, Sheila Ayo, Val Souza e Yaminah Garcia, sob curadoria de Carollina Lauriano.
14:00 - 17:00
De 1 de junho de 2019
a 20 de julho de 2019
Comodato MASP Landmann – Têxteis Pré-Colombianos MASP - Museu de Arte de São Paulo , Av. Paulista, 1578 - Bela Vista, São Paulo - SP
Exposição do Comodato Landmann, são 906 peças incluindo têxteis, objeto desta mostra, além de cerâmicas e metais. Ao longo de mais de cinquenta anos, Oscar e Edith Landmann reuniram uma das mais representativas coleções de arte pré-colombiana do Brasil, abrangendo objetos de diferentes tipologias, produzidos nos Andes entre 1000 a.C. e o século 16. 
10:00 - 18:00
De 14 de junho de 2019
a 28 de junho de 2019
Coleções no MuBE: Dulce e João Carlos de Figueiredo Ferraz – Construções e Geometrias MUBE - Museu Brasileiro da Escultura , R. Alemanha, 221 - Jardim Europa, São Paulo
Com trabalhos dos principais artistas contemporâneos brasileiros, a Coleção Figueiredo Ferraz tem se estabelecido de forma orgânica e engajada. A seleção de obras apresentadas em Construções e Geometrias, que tem curadoria de Cauê Alves, inclui artistas como Adriana Varejão, Artur Lescher, Carlos Garaicoa, Carmela Gross, Cildo Meireles, Edgard de Souza, Ernesto Neto, Nelson Leirner, Laura Vinci, Nuno Ramos, Waltércio Caldas, entre outros.
10:00 - 17:00
De 8 de junho de 2019
a 18 de agosto de 2019
Estúdio de Arte Irmãos Vargas encontra Martín Chambi Museu da Fotografia , R. Frederico Borges, 545 - Varjota, Fortaleza - CE, 60175-040
Com curadoria de Diógenes Moura, são exibidos mais de 100 fotografias destes artistas e de suas referências. Todas as obras fazem parte da Coleção Paula e Silvio Frota, que reúne o maior acervo da América Latina sobre os Irmãos Vargas. Na ocasião da abertura, o curador vai conduzir uma visita guiada, seguida pelo monólogo Existência. Imagem. Abandono.
10:00 - 18:00
De 1 de junho de 2019
a 30 de setembro de 2019
Cidade Perdida Museu da República | Palácio do Catete , R. do Catete, 153 - Catete, Rio de Janeiro - RJ, 22220-000
A relação entre tráfico de escravizados, genealogia familiar e o desenvolvimento urbano carioca é o ponto de partida da exposição "Cidade Perdida", do artista Pedro Meyer, que será inaugurada no dia 15 de junho, na Galeria do Lago (Museu da República), com curadoria de Isabel Sanson Portella. A mostra é composta por cerca de 20 obras, entre pinturas e desenhos que traçam um paralelo entre o campo do Valongo, local de concentração, trânsito e extermínio de escravos negros no Rio de Janeiro, e Treblinka, quarto campo de extermínio nazista. Estes trabalhos foram desenvolvidos a partir de uma pesquisa iniciada na Gamboa, no Rio de Janeiro, onde o artista trabalhou durante seis meses. “Pedro Meyer explora a abstração dos mapas e os enigmas que eles sugerem. As dúvidas suscitadas geram possibilidades de leituras diversas que vão intermediar temas violentos e sua relação com o espectador. Do genocídio à escravidão, da engenharia da morte em massa ao sagrado, do distante e passado ao próximo e presente, todas as dores e lutas são apresentadas numa visão estrutural, construída. Para descobrir a ‘cidade perdida’ é preciso o distanciamento e o olhar intenso de quem procura a verdade”, afirma Isabel Sanson Portella.
14:00 - 18:00
De 15 de junho de 2019
a 1 de setembro de 2019
Samico Galeria Estação , Rua Ferreira de Araújo, 625 – Pinheiros SP
Em junho de 2012, a Galeria Estação realizou a última individual de Gilvan Samico (1928-2013) em São Paulo, com a presença do artista, que faleceria no ano seguinte. Em 2016, a sua obra marcou a 32ª edição da Bienal Internacional de São Paulo. Agora, nesta exposição com curadoria de Ivo Mesquita, a Galeria Estação presta uma nova homenagem ao grande mestre pernambucano, reunindo cerca de 34 obras que permeiam quase toda a sua produção: composições repletas de simbologia que têm na simetria e na verticalidade valores que organizam narrativas sobre a natureza, instâncias sagradas e a vida terrena. Integrante do Movimento Armorial, idealizado por Ariano Suassuna, Samico produzia em sua casa ateliê em Olinda, e foi um dos raros artistas que desenhava, gravava e imprimia manualmente seu trabalho. 
#Galeria Estação, #Samico
19:00 - 18:00
De 28 de maio de 2019
a 13 de julho de 2019
Evandro Prado: Tem que manter isso aí, viu? Centro Cultural São Paulo , Rua Vergueiro, 1000 - Paraíso, São Paulo - SP
O Centro Cultural São Paulo tem o prazer de apresentar, a partir de 25 de maio de 2019, “Tem que manter isso aí, viu?”, exposição do artista Evandro Prado premiada no Programa de Exposições 2019. Composta por dois trabalhos que levantam questões sobre gênero, mídia e poder, o artista se debruça sobre os desfechos políticos que resultaram no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. O texto da exposição é assinado pelo curador Alexandre Bispo. Com uma produção preocupada com as relações dos campos da história e do poder, Evandro Prado reproduziu todas as capas revistas de circulação nacional que foram estampadas com a figura de Dilma Rousseff, entre os anos 2010 e 2016. As 97 pinturas à óleo formam o grande políptico que é o destaque desta exposição.
14:00 - 18:00
De 25 de maio de 2019
a 24 de agosto de 2019
Raul Mourão: Introdução a teoria dos opostos absolutos Galeria Nara Roesler , Av. Europa, 655 - Jardim Europa, São Paulo - SP
Raul Mourão apresenta Introdução à teoria dos opostos absolutos, sua terceira individual na Galeria Nara Roesler | São Paulo, entre os dias 25 de maio e 20 de julho. Repleta de antagonismos, a exposição reafirma a produção multimídia do artista – composta de esculturas, fotografias, pinturas e vídeos – e incorpora comentários poéticos sobre o caos social e político atual.
#nara roesler, #Raul Mourão
11:00 - 17:00
De 25 de maio de 2019
a 20 de julho de 2019
Novas Efervescências Espaço Cultural Porto Seguro , Alameda Barão de Piracicaba, 610 - Campos Elíseos, São Paulo - SP, 01216-012
Trabalhos de suportes distintos que sobrepõem e tencionam novas linguagens artísticas. Um conjunto de nove projetos executados por um corpo de dez artistas de diferentes gerações e linhas de pesquisa. Juntos convocam o público a refletir sobre uma pluralidade de questões: episódios da história do País, a relação do indivíduo com o meio ambiente, diálogos com a arquitetura do entorno, entre outros temas da contemporaneidade. Esse é o fio que conduz a mostra Novas Efervescências, coletiva que o Espaço Cultural Porto Seguro recebe a partir do dia 11 de maio, reunindo trabalhos inéditos de Angella Conte, Arnaldo Pappalardo, Daniel Frota de Abreu, Erica Ferrari, Erica Kaminishi, João Angelini, Laura Gorski e Renata Cruz, Pablo Lobato e Tiago Mestre.
11:00 - 17:00
De 11 de maio de 2019
a 14 de julho de 2019
Giselle Beiguelman:  “Chacina da Luz” e “Monumento Nenhum” Solar da Marquesa de Santos – Museu da Cidade , R. Roberto Símonsen, 136 - Centro, São Paulo - SP, 01017-020
O Museu da Cidade inaugura as instalações “Chacina da Luz” e “Monumento Nenhum”, da artista Giselle Beiguelman, nos espaços do Solar da Marquesa de Santos e Beco do Pinto, respectivamente.
#Giselle Beiguelman, #museu da cidade
11:00 - 17:00
De 4 de maio de 2019
a 1 de setembro de 2019
Marcos Amaro: Partenogênese Biblioteca Mário de Andrade , R. da Consolação, 94 - República, São Paulo - SP, 01302-000
Com curadoria de Ana Carolina Ralston, a mostra reúne 14 desenhos de Marcos Amaro que protagonizam as memórias do artista, narradas desde o início da concepção até o ato de dar à luz um ser.
#Ana Carolina Ralston, #biblioteca mário de andrade, #Marcos Amaro
11:00 - 18:00
De 1 de maio de 2019
a 23 de junho de 2019
Os anos em que vivemos em perigo MAM , Parque Ibirapuera - Av. Pedro Álvares Cabral, s/n° - Vila Mariana, São Paulo - SP, 04094-000
A segunda metade dos anos 1960 certamente foi um dos períodos mais conturbados e violentos da história política brasileira no século 20. Após o golpe militar de 1964, os anos seguintes foram marcados por uma intensificação da repressão, culminando no Ato Institucional Número Cinco (AI-5) em 1968. Movimentos de contestação no Brasil e no mundo, com focos variados – críticos aos sistemas educacionais, aos costumes, à repressão política ou às guerras –, ganharam força e tiveram grande ressonância também nas artes. Com o intuito de revisitar esse contexto, traçando paralelos com o atual momento político do país, o Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta, a partir de 30 de abril, a exposição Os Anos em que Vivemos em Perigo, um recorte do acervo do museu com obras produzidas durante cinco anos críticos da história brasileira. “A proposta desta mostra será refletir sobre esses complexos momentos vividos, tendo como marcos os anos de 1965 e 1970 rebatendo e rebatidos em 2019, suas atmosferas marcadas pela vida e a presença do perigo e da ameaça”, escreve o curador Marcos Moraes.
19:00 - 18:00
De 30 de abril de 2019
a 28 de julho de 2019
1 2