Ouvir àterra Galeria Millan , R. Fradique Coutinho, 1360 - Pinheiros, São Paulo
Vivendo na ponte entre Paraná e Roraima, Gustavo Caboco, multiartista do povo Wapichana, usa o desenho, a pintura, os têxteis, a animação, a performance e a palavra para refletir sobre os deslocamentos dos corpos indígenas e as retomadas de memória e ainda para realizar uma pesquisa autônoma em acervos museológicos a fim de contribuir na luta dos povos indígenas. Nova mostra individual reúne 20 obras dessa produção e conta com curadoria do próprio artista, que apresenta sua obra em seus próprios termos, usando diferentes linguagens artísticas como forma de compreender e expressar a questão da identidade indígena e da preservação da memória, não apenas como uma lembrança, mas como uma prática. 

Funcionamento normal: segunda a sexta, das 10h às 19h; sábado, das 11h às 15h
Início da mostra: 20 de agosto
Fim da mostra: 17 de setembro
Calder + Miró Casa Roberto Marinho , Rua Cosme Velho, 1105 - Rio de Janeiro - Brasil
Cerca de 150 peças – entre pinturas, desenhos, gravuras, esculturas, móbiles, stabiles, maquetes, edições, fotografias, joias e têxteis - compõem a mostram que evidencia a ligação do escultor norte-americano Alexander Calder (1898-1976) e do pintor espanhol Joan Miró (1893-1983) com o Brasil e os desdobramentos na cena nacional. Artistas consagrados e influenciados direta ou indiretamente pelas produções de Calder e Miró, como Abraham Palatnik, Aluísio Carvão, Arthur Piza, Antonio Bandeira, Franz Weissmann, Hélio Oiticica, Ione Saldanha, Ivan Serpa, Luiz Sacilotto, Lygia Clark, Mary Vieira, Milton Dacosta, Mira Schendel, Oscar Niemeyer, Sérvulo Esmeraldo e Waldemar Cordeiro, também integram a coletiva. 

Funcionamento normal: terça a domingo, das 12h às 18h
Início da mostra: 19 de agosto
Fim da mostra: 20 de novembro
Sem sombra de dúvida Galeria Marilia Razuk , R. Jerônimo da Veiga, 131 - Itaim Bibi, São Paulo - SP, 04536-000
Individual de Maria Andrade apresenta cerca de 30 pinturas inéditas, são paisagens ora imaginadas ora recordadas, e também pinturas inspiradas em desenhos de tapeçaria. A exposição desdobra memórias de paisagens das serras do Rio de Janeiro e traz, também, as paisagens que habitam seu imaginário. Aficionada pelo gesto de criar e ver nascer cores, Andrade diz que as telas são quase um pretexto para usar a paleta que nasce em suas mãos. 

Funcionamento normal: segunda a sexta, das 10h30 às 19h; sábado, das 11h às 16h
Início da mostra: 6 de agosto
Fim da mostra: 14 de setembro
FestFoto Fundação Iberê Camargo , Av. Padre Cacique, 2000 - Porto Alegre, RS
O Festival Internacional de Fotografia de Porto Alegre completa 15 anos. O confinamento disparou processos de conexão e desconexão nunca vistos, a experiência de viver em ambientes individualizados e a insegurança frente ao desconhecido reforçaram o desejo de controle – ainda que ilusório – sobre a manutenção da vida. Em paralelo, o planeta nunca foi tão agredido por um comportamento humano de rara hostilidade. "Nessa distopia, a imposição do isolamento forçou a invenção de novas formas de sentir e povoar as distâncias, criando um Terrarium de ligações possíveis, tema da 15ª edição do FestFoto", explica a organização do evento. A mostra foi dividida em três partes e também pretende um diálogo com elementos centrais da constituição do Brasil, por ocasião da passagem do bicentenário da Independência.   

Funcionamento normal: quinta a domingo, das 14h às 18h
Início da mostra: 6 de agosto
Fim da mostra: 21 de agosto
Selva Galeria Marilia Razuk , R. Jerônimo da Veiga, 131 - Itaim Bibi, São Paulo - SP, 04536-000
A individual de Fabrício Lopez traz um cenário de urgências em obras que expressam a intensidade dos elementos, das linhas, das figuras e das sugestões de figuras. Não ao caso, entre as principais características de sua obra está a distensão dos limites da gravura. Segundo José Augusto Ribeiro, diretor artístico da galeria e autor do texto que acompanha a mostra, “são inquietações que se apresentam de saída na escala dos trabalhos, denotativa da vocação pública e da vontade de abrangência dessa produção. E não que este sejam trabalhos necessariamente grandes no tamanho, tampouco estão entre os maiores já realizados pelo artista. Mas tratam-se de obras vultosas, pelas proporções em que se dão as relações entre imagem, suporte e arquitetura”, afirma.

Funcionamento normal: segunda a sexta, das 10h30 às 19h; sábado, das 11h às 16h
Início da mostra: 6 de agosto
Fim da mostra: 14 de setembro
Deni Lantz: Pinturas Galeria Estação , Rua Ferreira de Araújo, 625 – Pinheiros SP
Exposição reúne cerca de 50 pinturas, produzidas entre 2020 e 2022, que transitam no limite sutil entre o figurativo e o abstrato. "Essa característica reflete o trânsito do artista entre o mundo real, sua experiência direta e avassaladora, e um mergulho profundo na materialidade silenciosa das cores, no manuseio solitário dos meios, no gesto obsessivo e na repetição do fazer", diz o curador Ivo Mesquita.

Funcionamento normal: segunda a sexta, das 11h às 19h; sábados, das 11h às 15h
Início da mostra: 12 de agosto
Fim da mostra: 24 de setembro
Evandro Carlos Jardim: Neblina Instituto Tomie Ohtake , Rua Coropé, 88 - Pinheiros, São Paulo
Organizada em torno de um conjunto chamado "Tamanduateí Contraluz", que reúne 50 obras impressas desde 1980 até hoje, mostra ressalta a perseverança de Evandro Carlos Jardim na cidade de São Paulo e a sua investigação da capacidade de transformação e nuance da gravura. Segundo os curadores Paulo Miyada e Diego Mauro, do Núcleo de Pesquisa e Curadoria do Instituto Tomie Ohtake, todas essas imagens foram construídas a partir de uma só matriz de cobre, sobre a qual o artista uma vez desenhou o Palácio das Indústrias e o pilar de sustentação de um viaduto, tal como vistos desde as margens do Rio Tamanduateí, em São Paulo.

Funcionamento normal: terça a domingo, das 11h às 20h
Início da mostra: 10 de agosto
Fim da mostra: 20 de novembro
Festa do Interior Galeria Simões de Assis | São Paulo , R. Sarandi, 113a - Cerqueira César, São Paulo - SP, 01414-010
Sergio Lucena nos apresenta uma seleção de 18 pinturas inéditas nascidas de sua admiração pelo homem brasileiro comum e sua capacidade de celebrar a vida a despeito das condições adversas do seu cotidiano. Com curadoria de Julia Lima, vemos o entendimento do artista acerca da festa popular enquanto resistência à opressão e por meio da alegria, uma afirmação da vida pelo encanto.

Funcionamento normal: segunda a sexta, das 10h às 19h; sábado, das 10h às 15h
Início da mostra: 11 de agosto
Fim da mostra: 24 de setembro
O Suplício de Cabral – Thiago Rocha Pitta Galeria Simões de Assis | São Paulo , R. Sarandi, 113a - Cerqueira César, São Paulo - SP, 01414-010
A mostra reúne 13 obras inéditas de Thiago Rocha Pitta, nas quais narra uma versão fabulada, fantástica, do descobrimento - ou invasão - do Brasil pelos portugueses. A mostra, que conta com texto crítico de Felipe Scovino, traz uma sequência de cenas que funcionam como uma espécie de storyboard do cinema, como frames de um vídeo - o projeto prevê futuramente a realização de um filme a partir das histórias contadas por essas aquarelas. O conjunto de trabalhos não apenas reimagina uma passagem crucial da nossa história, mas também se configura como uma metáfora vigorosa dos tempos que vivemos hoje.

Funcionamento normal: segunda a sexta, das 10h às 19h; sábado, das 10h às 15h
Início da mostra: 11 de agosto
Fim da mostra: 24 de setembro
Achados e Perdidos OMA Galeria , R. Carlos Gomes, 69 - Centro, São Bernardo do Campo - SP, 09715-130
Individual do artista sergipano Nario Barbosa apresenta 15 trabalhos inéditos do artista: fotografias de objetos esquecidos em estações de trem e metrô da capital paulista. Utilizando linhas coloridas e agulha para bordar ponto a ponto sobre as fotografias, Nario destaca objetos do cotidiano. Com texto crítico de Ícaro Ferraz, a mostra segue em cartaz até o dia 29 de outubro.

Início da mostra: 13 de agosto
Fim da mostra: 29 de outubro
Tudo de Novo Galeria Millan , R. Fradique Coutinho, 1360 - Pinheiros, São Paulo
“Amo a regra que corrige a emoção. Amo a emoção que corrige a regra”. A máxima de autoria do pintor francês Georges Braque, um dos expoentes do cubismo, é um dos nortes da produção de Dudi Maia Rosa. Um recorte amplo de sua obra, com cerca de 40 trabalhos, entre criações que datam de 1993 até os dias atuais, realizadas nos últimos anos, será exibido na exposição em cartaz até 3 de setembro na Galeria Millan.

Funcionamento normal: segunda a sexta, das 10h às 19h, e sábado, das 11h às 15h
Início da mostra: 6 de agosto
Fim da mostra: 3 de setembro
Joseca Yanomami: nossa terra-floresta MASP , Avenida Paulista, 1578, São Paulo
A individual reúne 93 desenhos de personagens, cenas, paisagens e fenômenos do universo yanomami, tendo como referência a floresta, seus povos, suas histórias e os cantos xamânicos. Esta é a primeira exposição dedicada aos desenhos do artista, apresentando parte expressiva de sua produção no ano em que são celebrados os 30 anos da homologação da Terra Indígena Yanomami.

Funcionamento normal: terça, das 10h às 20h; quarta a domingo, das 10h às 18h
Início da mostra: 29 de julho
Fim da mostra: 30 de outubro
Panorama de Arte Brasileira: Sob as cinzas, brasa MAM , Parque Ibirapuera - Av. Pedro Álvares Cabral, s/n° - Vila Mariana, São Paulo - SP, 04094-000
Composta por 26 artistas, a edição deste ano do Panorama de Arte Brasileira levanta soluções artísticas que refletem sobre o enfrentamento do cenário de emergência das pautas sociais e ambientais no Brasil, se comprometendo com a promoção de igualdade étnica, de gênero e classe, e traz um número significativo de obras inéditas e comissionadas. A proposta é refletir sobre a simbologia da brasa como resiliência, instigando as formas de renascimentos que refletem sobre a construção simbólica ancestral e atual. As instalações, fotografias, pinturas, vídeos e esculturas expostas são manifestações poéticas que propõem enfrentar os desafios das relações humanas, sociais, políticas e geográficas. 

Funcionamento normal: terça a domingo, das 10h às 17h
Início da mostra: 23 de julho
Fim da mostra: 23 de outubro
Reunindo cerca de 50 obras pouco vistas ou nunca antes expostas de Candido Portinari (1903-1962), um dos mais importantes artistas brasileiros de todos os tempos, a mostra apresenta a enorme diversidade da obra deste grande artista múltiplo, que explorou diversas linguagens, revelando uma faceta pouco conhecida de um dos nossos mais reconhecidos artistas.

Funcionamento normal: segunda, quarta e sábado, das 9h às 21h; domingo, das 9h às 20h
Início da mostra: 29 de junho
Fim da mostra: 12 de setembro
Memórias do Futuro Memorial da Resistência de São Paulo , Largo General Osório, 66 - Santa Ifigênia, São Paulo – SP
Exposição apresenta ao público do Memorial da Resistência um panorama histórico de mais de um século de lutas por direitos da população negra no estado de São Paulo, abrangendo o período de 1888 até os dias de hoje. Reunindo 450 materiais, a exposição traz fotos, cartazes, documentos e a participação de artistas como Bruno Baptistelli, Geraldo Filme, João Pinheiro, Moisés Patrício, No Martins, Renata Felinto, Sidney Amaral, Wagner Celestino e Soberana Ziza.

Funcionamento normal: quarta a segunda, das 10h às 18h
Início da mostra: 4 de junho de 2022
Fim da mostra: 8 de maio de 2023
DESENHOS. geometria imperfeita / cavidades dilatadas MAC Dragão - Museu de Arte Contemporânea do Ceará , Rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema - Fortaleza (CE)
Com curadoria de Jacqueline Medeiros, a mostra individual do fortalezense Eduardo Frota reúne desenhos e elaborações de grandes dimensões no plano das paredes do museu. Partindo da premissa de que, num museu de arte contemporânea, a obra não deve ser mediada por nenhum suporte, o artista desbrava a superfície da materialidade concreta do museu para criar nova fisicalidade. Com uma intervenção artística ampla e direta na arquitetura do próprio museu, Frota lança questões sobre arte, arquitetura, fluxo, espaço e tempo, tais como o que significa ser um museu de arte contemporânea do ponto de vista da arquitetura, circuitos de arte no Brasil ou ainda até que ponto a obra de um artista contemporâneo está submetida a arquitetura do espaço expositivo.

Funcionamento normal: terça a sexta, das 9h às 18h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h
Início da mostra: 2 de junho
Fim da mostra: 4 de setembro
Segundo Ato de Abdias Nascimento e o Museu de Arte Negra Inhotim , Rua B, 20, Inhotim - Brumadinho (MG)
Em curadoria conjunta com o IPEAFRO, o Inhotim sedia o Segundo Ato do Museu de Arte Negra, intitulado "Dramas para negros e prólogo para brancos", abarca um período marcado pelo teatro na formação artística e política de Abdias Nascimento, e na concepção inicial da coleção do Museu de Arte Negra, de 1941 até 1968 - ano em que Abdias iniciou o exílio nos Estados Unidos e na Nigéria. A exposição traz ao público documentos sobre a trajetória do Teatro Experimental do Negro, pinturas de Abdias e trabalhos de artistas como Anna Bella Geiger, Heitor dos Prazeres, Iara Rosa, José Heitor da Silva, Sebastião Januário, Octávio Araújo e Yêdamaria.

Funcionamento normal: quarta a sexta, das 9h30 às 16h30; sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 17h30 
Início da mostra: 28 de maio 
Acervo em Movimento | Arjan Martins e Laura Belém Inhotim , Rua B, 20, Inhotim - Brumadinho (MG)
Em 2022, o projeto Acervo em Movimento traz Arjan Martins e Laura Belém em foco. No lago entre as Galerias Mata e True Rouge, o visitante vai se deparar com dois barcos a remo equipados com holofotes que se iluminam, frente a frente, na água. As luzes de um dos barcos se acendem, enquanto as do outro permanecem apagadas; após 20 segundos, eles invertem. Trata-se de "Enamorados", de Laura Belém. Já Arjan Martins, expõe aparelhos destinados a indicar a direção dos ventos, que se fundem às bandeiras marítimas e seus códigos internacionais para transmitir mensagens entre embarcações e portos. “Na fusão desses dois elementos, birutas e bandeiras náuticas, Arjan trata do trânsito de corpos através dos oceanos, do tráfico de pessoas escravizadas e das diásporas causadas pelos movimentos coloniais”, explica Douglas de Freitas, curador do Inhotim.

Funcionamento normal: quarta a sexta, das 9h30 às 16h30; sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 17h30 
Início da mostra: 28 de maio 
Isaac Julien Inhotim , Rua B, 20, Inhotim - Brumadinho (MG)
Em um trabalho que une poesia e imagem, Isaac Julien parte de uma exploração lírica sobre o mundo privado do poeta, ativista social, romancista, dramaturgo e colunista afro-americano Langston Hughes (1902 - 1967) e seus colegas artistas e escritores negros que formaram o Renascimento do Harlem – movimento cultural baseado nas expressões culturais afro-americanas que ocorreu ao longo da década de 1920.

Funcionamento normal: quarta a sexta, das 9h30 às 16h30; sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 17h30 
Início da mostra: 28 de maio 
Ayrson Heráclito: Yorùbáiano Estação Pinacoteca , Largo General Osório, 66, Luz, São Paulo, SP
Reunindo 63 obras, Yorùbáiano aborda as feridas deixadas pela história colonial e articula culturas diversas que aportaram no Brasil a partir da diáspora africana. Com curadoria de Amanda Bonan, Ana Maria Maia e Marcelo Campos, a exposição que agora chega a São Paulo foi inicialmente concebida e exibida no Museu de Arte do Rio (MAR), em 2021, na capital carioca. 

Funcionamento normal: segunda a sábado, da 10h às 18h
Início da mostra: 2 de abril
Fim da mostra: 22 de agosto
1 2
EnglishPortuguese