A primeira festa na propaganda do lança-perfume (Foto- Reprodução)

Carnaval em dose dupla

A morte do Barão do Rio Branco provocou luto no Rio de Janeiro, mas também duas folias em 1912 – uma em fevereiro, outra em abril
"DAS AVÓS", 2019, videoinstalação de Rosana Paulino. Foto: Videobrasil.

Decolonial, des-outrização: imaginando uma política pós-nacional e instituidora de novas subjetividades...

A partir de discussão levantada por Bonaventure Soh Bejeng Ndikung na circunstância da 21a Bienal Sesc_VideoBrasil, Márcio Seligmann-Silva reflete sobre as questões colonial e pós-colonial, extremamente relevantes no atual contexto global; texto será publicado em duas partes

Aproximações e distanciamentos entre J. Carlos e Mucha na avenida Paulista

Exposições simultâneas do artista brasileiro, no Instituto Moreira Salles, e do tcheco, no Centro Cultural Fiesp, permitem contato com questões fundamentais para as artes gráficas e para a sociedade desde o fim do século 19 até os dias de hoje

A hora e a vez de os democratas agirem

Por acreditar que a arte só pode se desenvolver em uma sociedade livre, a arte!brasileiros se solidariza com os professores da USP e republica carta na qual propõem que as forças democráticas do Brasil unam-se para dar um basta ao projeto autoritário bolsonarista

Para respirar liberdade, 70 anos da declaração dos direitos humanos

Concebida pelo SESC_SP e o Instituto Vladimir Herzog, a exposição do artista Otávio Roth (1952-1993) é uma chuva de resistência na tempestade que nos assola

Formação, informação e deformação

Em 1781 Immanuel Kant publicou “A Critica da Razão Pura”, que rapidamente tornou-se um marco para a teoria do conhecimento ao definir as condições...

A Educação do Olhar e a Leitura de Imagens

Das obras, que ele pesquisa escolhe e conserva Do diálogo entre artistas e público, Do patrimônio de um país ou de uma fundação, ...
Antonio Banderas e Elena Anaya em cena do filme A Pele Que Habito

De quem é o corpo da mulher?

Na corrente das violências – situações de assédios, abusos, estupros e feminicídios –, o feminino como ‘outro’ é apagado, borrado pela apropriação ‘colonialista’ do corpo das mulheres, e o masculino se reafirma como ‘masculinidade hegemônica’.

Construir paraquedas coloridos? Corona e os sonhos para além do apocalipse...

Márcio Seligmann-Silva comenta o novo livro de Krenak e a situação de isolamento em tempos de pandemia e barbárie necropolítica, propondo leituras de Kopenawa, Benjamin e Celan

O crime da mala

No passado, o apetrecho não tinha rodinhas nem escondia dinheiro. No caso mais famoso, levava o corpo de uma bela garota italiana