Foto horizontal, colorida. Ateliê de Arthur Piza
Ateliê de Arthur Piza no centro de Paris, França. Foto: Hélio Campos Mello

Em conversa com Betina Zalcberg, historiadora de arte e um dos membros do conselho do Fundo de dotação Arthur Luiz Piza (Fonds Arthur Luiz Piza, sediado em Paris), a arte!brasileiros teve a oportunidade de mergulhar na história de Piza e de alguns outros artistas que se estabeleceram entre os anos 1960 e 1980 na capital francesa, em uma época rica e conflitiva da história do Brasil.

Arthur Piza nasceu em São Paulo em 1928 e iniciou sua formação artística em 1943, estudando pintura e afresco com Antonio Gomide (1895-1967). Depois de participar da 1ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1951, viajou para a Europa e passou a residir em Paris. Faleceu naquela cidade em 2017, aos 89 anos. 

Betina Zalcberg tem passagens pela Sotheby’s, MAM – Ville de Paris e Centre National des Monuments Historiques. Hoje, navega entre São Paulo e Paris. Leia abaixo a entrevista.

ARTE! – Como você conheceu Arthur Piza?

Betina Zalcberg – Vou começar essa história puxando um fio lá longe – tanto pelo prazer de evocar uma pessoa querida quanto pelo efeito dominó de amizades que representa. Me refiro a Vera Pedrosa, que conhecera Arthur Luiz e Clelia Piza em 1953, quando acompanhou seu pai – Mário Pedrosa, então membro da Comissão artística da 2ª Bienal de São Paulo junto a Flávio de Carvalho e Tarsila do Amaral – em sua viagem preparativa daquela que seria conhecida como a “Bienal de Guernica”. Quase 30 anos depois, foi ela, então seguindo carreira no Itamaraty, quem apresentou o artista Julio Villani ao casal. Eu entrei no elo do carinho em seguida, através dele. [Julio e Betina são companheiros desde então]

Recém chegado a Paris, Julio recebera de Piza e Clelia a mesma acolhida calorosa que reservavam a tantos artistas brasileiros nos anos 1980. Para além da generosidade de ambos, essa tradição era a extensão de um engajamento que começara nos anos 1960: o casal foi uma das âncoras de uma rede de solidariedade para com os exilados brasileiros, radicados na França após o golpe de 1964.

L’ATTRAPE-REVÊ, obra de Arthur Piza
“L’attrape-revê”, objetos, arame galvanizado, zinco pintado em acrílica, 2011. Foto: Hélio Campos Mello

Quando a situação política começou a desanuviar do lado de lá do Atlântico, se dedicaram mais especificamente ao mundo das artes. Muitos são os jovens artistas que viajaram a Paris – para estudar na Escola de Belas Artes ou simplesmente a passeio – que podem testemunhar a atenção recebida por parte do casal. Foi aliás numa dessas visitas – como conta Zerbini no catálogo da exposição Leonilson por Antonio Dias, Perfil de uma coleção, realizada na Pinakotheke Cultural em 2019 – que Piza sugeriu a Leonilson, então com 24 anos, que fosse conhecer Antonio em Roma. Pressentiu que daria liga. Sabemos hoje que foi um encontro alinhavado nas estrelas!

Enquanto Piza recebia os artistas plásticos, Clelia Pisa (assim, com um S todo feminista, para traçar seu caminho independentemente do marido) se dedicava à divulgação da literatura brasileira. À ela se deve a primeira edição de Carolina Maria de Jesus fora do Brasil: Journal de Bitita (Ed. A.M. Métailié), cujo prefácio assina, e que se encontra exposto na mostra sobre a autora em cartaz no IMS Paulista. Por acaso, a outra exposição atual no IMS também remete indiretamente a ação de Clelia nos meios literários: reza a lenda que foi ela que introduziu Clarice Lispector às Editions des Femmes em Paris. Em todo caso é dela o prefácio da primeira edição francesa de A paixão segundo G.H., hoje um dos mais conhecidos romances da autora.

Piza era particularmente próximo de Sérgio Camargo, Sérvulo Esmeraldo, Samson Flexor, Lygia Clark, Rossini Perez, Flávio Shiró, dos argentinos Julio Le Parc e Antonio Seguí, do chileno Roberto Matta (estou certamente esquecendo gente…). No meio desta efervescência intelectual e certa euforia política (eleição de Mitterrand na França, abertura gradual dos regimes na América do Sul), Piza funda e anima – com Le Parc, Matta, Luis Tomasello, Garcia-Rossi, Rodolfo Krasno, Jack Vanarsky, seguidos de outros tantos – o Espaço Latino-americano, definido como “um lugar de confronto e de divulgação de diversos aspectos da criatividade latino-americana atual”, mas também um meio de “fazer conhecer a obra de jovens artistas franceses e europeus na América latina”. [L’Espace latino-américain funcionou em Paris, de 1980 a 1993].

Arthur Luiz Piza
Biblioteca do ateliê: o importante fundo de literatura brasileira de Clélia ladeia mementos de Piza. Foto: Hélio Campos Mello

ARTE! – Como surge o Fundo Arthur Piza?

Quando Piza faleceu, em 2017, o fundo de dotação toma forma, segundo as linhas diretivas traçadas pelo casal. Instalado no atelier do artista, ele tem como objetivo a preservação e a divulgação da sua obra – incluindo a elaboração de seu catálogo raisonné, ao qual os seis membros do Conselho (três pelo Brasil e três pela França: Marcelo Araújo, Maria Antonieta Dente, Catherine de Leobardy, Virginie Durval, Henri Helman e eu) se dedicam ativamente. Damos também continuação ao Prêmio Piza, instituído pelo casal em 2014.

ARTE! – Em que consiste especificamente o prêmio?

Ele se destina a perpetuar e expandir a troca entre as cenas artísticas francesa e brasileira, na qual ambos tanto acreditavam. Os laureados – um/a por ano, alternadamente franceses e brasileiros – são convidados a passar um mês no “outro” país. Não há qualquer obrigatoriedade de produção, nem tampouco linguagem plástica privilegiada. A ideia é oferecer um momento de contato, de curiosidade benfazeja, de descoberta. As pontes vão se fazendo, quase naturalmente. Em sua vinda ao Brasil, o primeiro laureado, o parisiense Jérôme Benitta, que pratica uma pintura super matérica, encontrou o segundo, o excelente gravador Fabricio Lopez. Quando este foi para Paris, a maionese pegou: fizeram uma série de obras a quatro mãos, e uma exposição que os Piza tiveram o prazer de presenciar. A ponte leva às vezes mais além do que aos artistas do prêmio: Jérôme já voltou a São Paulo para duas residências no Ateliê Fidalga, e tem exposição prevista na CasaGaleria em agosto de 2022.

Arthur-Luiz-Piza
Placa de cobre para gravura. Foto: Hélio Campos Mello

Por causa da pandemia, os prêmios de 2020 e 2021 viajarão em 2022. Trata-se de Jeremy Chabaud, cuja prática artística incluindo pintura e escultura já lhe valeu prêmio residência da Fundação Albers em Nova Iorque, mas que usa também de uma enorme dose de “fazer-junto”, desenvolvendo projetos colaborativos (não à toa, ele é o atual diretor da associação Jeune Création em Paris); e de Santídio Pereira, nascido no Piauí em 1991, que vem desenvolvendo uma maneira bem sua de fazer gravura, com um domínio cada vez maior da técnica a serviço daquelas imagens maravilhosas que carrega em si.

Não faltarão oportunidades para que eles, Sophie Lambert (artista de figuração refinada, prêmio Piza 2016), Estela Sokol (que usa luz e cor como matéria escultórica, laureada 2017) e os próximos laureados, continuem tecendo vínculos entre os dois países. É o dominó de amizades e afinidades em torno do(s) Piza que continua a avançar. ✱

Cadastre-se na nossa newsletter

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome