Por pouco mais de um ano, negociantes de arte, galeristas e colecionadores incapazes de viajar pelo circuito de feiras de arte ocuparam os espaços de exibição online que Art Basel, Frieze e outras feiras disponibilizaram. Para aquelas que não migraram – mesmo que temporariamente – para o formato digital integral, o modelo híbrido de negócios entre o ambiente da web e o presencial pareceu uma boa saída, uma que talvez se solidifique e permaneça até mesmo depois da quarentena. Esta é a opinião de Iwan Wirth, um dos fundadores da mega galeria Hauser & Wirth.

Contra a maior desvantagem sendo a falta da experiência presencial, podem ser listados alguns pontos positivos citados pelos galeristas nos OVRs (Online Viewing Rooms). “Nas feiras, o preço do estande, as viagens, hospedagens, o transporte de obras e os seguros, tudo é um orçamento muito alto. E mesmo as exposições virtuais da galeria foram mais baratas de fazer. O que aconteceu, no final do ano, é que a gente conseguiu manter o faturamento, mas a despesa caiu”, afirma Alexandre Roesler, da galeria Nara Roesler, em reportagem publicada na edição #53 de arte!brasileiros. Já a transparência de preços nos OVRs é o grande atrativo para colecionadores.

O colecionador francês François Blanc lamenta a questão da sociabilidade, que ajuda a distanciar as feiras bem sucedidas das que fracassam, em sua opinião. No entanto, Blanc explica que esta é a oportunidade das galerias para retomar o controle de seu mercado: “Interagir com colecionadores, entender suas expectativas, identificar artistas e promovê-los”. “As mega feiras não estão mais em posição de impor seu plano comercial no período de dinheiro escasso e transporte limitado que estamos enfrentando. O mercado tem a oportunidade de voltar ao nível do que é realmente necessário em termos de criação artística”, relata à Forbes.

Em um editorial opinativo para o portal Artnet, Jonathan Schwartz vai ao encontro da fala de Blanc e pontua: “Eu dirijo o Atelier 4, um complexo negócio de logística de belas artes que, de repente, em março do ano passado, se tornou basicamente uma empresa de armazenamento”. Aos poucos o Atelier 4 foi revivendo seus departamentos e foi encontrando trabalho com galerias e casas de leilão que haviam mudado para plataformas online. “Começamos a trabalhar em colaboração direta com nossos clientes – que estavam olhando para as paredes em suas casas e desejando algo novo para pendurar; indivíduos com patrimônio alto estão ficando em casa e comprando arte. Indo ao encontro da fala de Schwartz, Roesler explica que “este novo modo de vida criou uma outra relação com o próprio espaço da casa, uma convivência intensa que fez com que muitas pessoas começassem a pensar em mudar as coisas. Ele afirma inclusive que alguns de seus clientes decidiram morar períodos em suas segundas casas (fora da cidade) e passaram a adquirir obras para estes locais.

“No final do ano, parecia que poderíamos gerenciar esse desastre sem uma única feira de arte – e conseguimos”, conta Schwartz, por fim, e propõe uma importante questão em relação às feiras: “Já chegamos até aqui sem feiras. Por que arriscar nossa saúde agora quando há luz no fim do túnel? Quanto mais tempo ficarmos em nossos cantos, mais rápido chegaremos à linha de chegada”.

Mudanças de agenda nas feiras internacionais

O perigo das viagens internacionais e a – ainda presente – ameaça do vírus não são desconsiderados pelas organizações das feiras, no entanto. Um dos fenômenos possíveis e resultantes disso é sua fragmentação em eventos menores e locais, em vez de fazer com que todos se aglomerem em um centro de convenções. A Frieze New York, por exemplo, reduziu sua lista de expositores em dois terços para a edição de 2021, sendo que a feira acontecerá no espaço de artes The Shed, em Hudson Yards, em maio. “Nova York é uma das poucas cidades onde você pode realizar uma feira para 60 galerias internacionais sem ter que contar com uma grande participação internacional”, Victoria Siddall, a diretora da Frieze, disse ao New York Times. “É uma feira muito menor, mas parecia certa para o primeiro semestre do ano”. A Art Basel Hong Kong aderiu à alternativa de um planejamento com foco local e manteve sua ocorrência presencial para o final de maio, nos dias 21 a 23.

Feiras de arte em 2021: Espaço de artes The Shed, onde a Frieze New York acontecerá em 2021. Foto: Ajay Suresh.
Espaço de artes The Shed, onde a Frieze New York acontecerá em 2021. Foto: Ajay Suresh.

Já a Art Basel na Suíça – considerada a feira mais importante do circuito moderno e contemporâneo – adiou novamente sua 51ª edição, de junho para setembro (dias 23 a 26). “A decisão foi tomada partindo do pressuposto de que as pessoas em risco e os profissionais de saúde serão vacinados no início do verão, então o bloqueio e as restrições de viagens devem ser amenizados, com um pouco de proteção”, disse Marc Spiegler, diretor das feiras Art Basel. Liste, a feira conterrânea para arte emergente, foi movida para se juntar ao evento principal da cidade.

Por enquanto, a Tefaf Maastricht não planeja uma alternativa online e segue o movimento de Art Basel ao mudar sua 34ª edição para 11 a 19 de setembro, já tendo alterado anteriormente seu itinerário usual, de março para o final de maio. Segundo o presidente Hidde van Seggelen, setembro parece ser mais confiável para o comunidade frequentadora da feira. Se juntando ao mês de setembro está também a Photo London, que agora será exibida na Somerset House a partir do 9.

Como as mídias sociais se comportaram nesse cenário?

De acordo com uma pesquisa com 1.758 entrevistados em todo o mundo, conduzida pela empresa de mercado online Artsy, a mídia social ultrapassou as feiras de arte em um ranking dos principais canais de vendas para galerias em 2020. Enquanto em 2019, 16% das galerias pesquisadas disseram que sua principal fonte de vendas eram as feiras de arte (depois do contato direto com clientes e visitas pessoais às galerias), em 2020 isso havia caído para apenas 5%. Considerando o ano passado, o alcance aos clientes ainda ocupa o primeiro lugar (28%), seguido pelas vendas através do próprio site da galeria (de 10% para 17%, de 2019 para 2020). Dustyn Kim, CRO da Artsy, observa que uma grande parte dessas galerias não tinha presença online significativa e que neste período houve uma correlação direta entre fazer vendas e tornar os preços disponíveis ao público.

Calendário de feiras

Art Paris Art Fair: 8 a 11 de abril.

Expo Chicago: 8 a 11 de abril.

Art Beijing Art Fair: 30 de abril a 3 de maio.

Frieze New York: 7 a 9 de maio.

Art Basel Hong Kong: 21 a 23 de maio.

SP Arte: 16 a 20 de junho.

Masterpiece Art Fair: 24 a 29 de junho.

ARCO Madrid: 7 a 11 de julho.

SP Arte Foto: 25 a 29 de agosto.

ArtRio: 8 a 12 de setembro.

The Armory Show: 9 a 12 de setembro.

Photo London: 9 a 12 de setembro.

Tefaf Maastricht: 11 a 19 de setembro.

Liste Art Fair: 20 a 21 de setembro.

Art Basel: 23 a 26 de setembro.

Frieze London: 13 a 17 de outubro.

Frieze Masters: 13 a 17 de outubro.

Art Taipei: 22 a 25 de outubro.

Paris Photo: 11 a 14 de novembro.

Art Miami: 30 de novembro a 5 de dezembro.

Art Basel Miami: 2 a 5 de dezembro.

 

Inscreva-se em nossa newsletter

   

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome