Obra de Tatiana Blass exposta na individual
"O fim continua_Barro-cerâmica", de Tatiana Blass, exposta na individual "Reviravolta", na Galeria Millan. Foto: Ana Pigosso

Que Tatiana Blass é uma das principais artistas de sua geração, isso todos nós já sabíamos; que ela continuava a desenvolver seu universo poético e a expandir sua linguagem com a mesma potência do início, isso é um dado novo. Ou melhor, um dado novo pelo menos para mim que, já faz alguns anos, não observava sua produção.

A mostra Reviravolta que a artista apresenta até o próximo dia 16 de julho na Galeria Millan, demonstra como Tatiana mantém a potência de seus trabalhos de início de carreira, de alguma maneira, ainda conseguindo tensionar a pintura e sua história, por meio de três movimentos:

Em primeiro lugar pela representação de espaços tridimensionais (salas, palcos?), condicionando-os irremediavelmente às duas dimensões da tela ou do papel ou do vidro.

O real tensionado na representação, os tons baixos, todas aquelas áreas trabalhadas por alguém que conhece as pinturas de Alfredo Volpi e Paulo Pasta, mas que não se contenta em ser mais um epígono obediente dos dois artistas, um desses adeptos interessados apenas em cristalizar determinadas soluções plásticas logradas com êxito por ambos.

Tatiana parece partir da pintura de Volpi e Pasta para trazer mais alguns dados à linguagem pictórica, ampliando soluções conhecidas, experimentando superfícies e transbordamentos que acabam por escapar ao rigor dos artistas mais velhos, ansiando por esbarrar e penetrar de maneira mais efetiva em outras áreas talvez mais alusivas.

O segundo movimento de Tatiana fica mais evidente em uma pintura em que a busca do tempo na pintura – a pintura, a arte do espaço, o teatro, a literatura, as artes do tempo (ver Lessing) –, se transforma numa espécie de “efeito caleidoscópio”, em que as áreas internas da pintura se movem e se removem, com humor.

Interessante ver como décadas após Abraham Palatnik propor, de maneira solene, a sua “arte cinética” – uma pintura que, envergonhada, busca introduzir o tempo no espaço – Tatiana retoma o mesmo problema agora como uma espécie de brincadeira de criança, uma brincadeira tão séria que chega a emocionar.

O terceiro movimento de Tatiana concentra-se no transitar entre a pintura e a escultura, produzindo objetos ou “cenas tridimensionais” que ocorrem dentro de estruturas idealmente cúbicas, cenas pictóricas, teatrais.

O uso dessas caixas virtuais onde “ocorrem” as esculturas da artista é o mesmo procedimento usado há séculos por Nicolas Poussin para realizar suas pinturas (refiro-me às maquetes produzidas pelo artista, reproduzindo as cenas que iria pintar). Poussin lá no século 17 e Giacometti, no século 20 – com seus cubos vazados, onde “ocorriam” algumas de suas esculturas – também me faz retornar ao trabalho de “desmanche” das esculturas de Tatiana.

Nesses trabalhos Tatiana se vale de um procedimento tão tradicional (as maquetes de Poussin, as caixas de Giacometti!) e encontra – pasmem! – outros dois artistas, estes contemporâneos que, cada um a seu modo, transformam e borram os limites da escultura, da pintura e do teatro. Refiro-me a Claudio Cretti e Erika Verzutti.

Cretti, a partir da exploração de objetos inusitados e suas relações entre si e o espaço real, caminhou para a construção de “palcos” em que esses mesmos materiais conectados, transformados agora em figuras, reclamam para o fazer escultórico tanto o teatral quanto o pictórico.

Verzutti, por sua vez, ao incorporar as bases que recebem suas formas na configuração geral do trabalho também encontra a pintura e o teatro onde – para modernistas impolutos – só deveria existir escultura.

É neste sentido que caminha Tatiana Blass, enveredando para a criação de encenações que ficam nas bordas do real, ou introduzindo o tempo quando só deveria ter espaço, nos limites entre a pintura, a escultura e o teatro. No limiar da matéria e do vazio.

***

Interessante como tanto Cretti, Verzutti quanto Blass, por caminhos distintos e com resultados tão singulares, demonstram a necessidade imperiosa da arte contemporânea buscar sua origem (ali, onde o teatro, a pintura, a escultura e o tableau vivant se encontram) como uma espécie de salvo conduto para continuar existindo e significando algo nos dias de hoje.

SERVIÇO

Tatiana Blass: Reviravolta
Galeria Millan: R. Fradique Coutinho, 1360 – Pinheiros, São Paulo (SP)
Em cartaz até 16 de julho
Visitação de segunda a sexta, das 10h às 19h; sábados, das 11h às 15h

Cadastre-se na nossa newsletter

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome