O curador Josué Mattos conversa com a equipe responsável pelas obras do Centro Cultural Veras.

Um centro cultural está sendo criado de forma bastante distinta das instituições de arte brasileiras privadas, em geral financiadas por mecenas milionários e mesmo assim com histórias recorrentes de fracasso, algumas delas colocando em risco museus, como ocorreu com o fechamento do MAM-SP em 1967.

O novo local é o Centro Cultural Veras, concebido a partir de uma gestação de vinte anos pelo monge e curador Josué Mattos, que teve a ideia quando vivia em um monastério nas montanhas de Paraty e acabou se especializando em arte na França. Mais fora da curva, impossível.

Centro Cultural Veras
Registro da construção do novo Centro Cultural Veras. Cortesia do próprio Centro Cultural

Nascido em Criciúma (Santa Catarina), Mattos mudou para Florianópolis nos anos 90. “Foi quando começou o desejo de fazer esse projeto. A concepção é de 1999. Naquela época eu estava envolvido em movimentos alternativos, espirituais e ligados ao Yoga e frequentava um centro cultural, que não era bem a melhor denominação para ele, mas era assim que era chamado”, inicia a contar a história atípica,  por telefone, logo após ter resolvido como retirar uma imensa rocha que ameaçava o subsolo do novo espaço.

Em 1999, o monge foi morar em Paraty, onde passou três anos, e de lá partiu para Paris, estudar arte, “porque achava que seria importante para esse centro cultural”. Passou quase dez anos na capital francesa, estudando filosofia e literatura do Yoga e História da Arte e Arqueologia.

“Voltei para o Brasil, em 2006, para um intercâmbio com a USP e foi quando a Lisette Lagnado estava fazendo a Bienal. Foi um momento de grandiosa iniciação na curadoria. E, paralelamente, havia uma grande mostra da coleção do MAM na Oca e fui convidado pelo Tadeu Chiarelli, meu professor na USP, para ser um dos educadores da exposição”, recorda Mattos.

A experiência foi essencial em seu percurso: “Visitar a Bienal todo dia e conviver com o acervo do MAM me levaram a decidir que, quando voltasse ao Brasil, o que ocorreu em 2010, eu tentaria atuar como curador para facilitar a construção do centro cultural.”

Nesses últimos dez anos, todos os trabalhos assumidos pelo curador-monge ajudaram na viabilização do novo espaço, entre eles a concepção e curadoria da primeira edição do projeto Frestas – Trienal de Artes, no Sesc Sorocaba, uma mostra periódica de arte contemporânea, que teve início em 2014. “Convidado para conceber um projeto de uma bienal no interior, sugeri que fosse uma trienal, em virtudes de debates da 28ª Bienal de SP, e mesmo antes, nos anos 1980, quando Aracy Amaral apontava o curto tempo para se organizar uma mostra desse porte em dois anos”, explica.

Além de mobilizar seus cachês para a construção do centro cultural, realizou duas permutas que permitiram o financiamento da mão-de-obra e do elevador do edifício. No primeiro caso, no Instituto Adelina, em São Paulo, assumiu uma espécie de direção artística que reforçou a vocação sem fins lucrativos da instituição. Em Ribeirão Preto, Mattos esteve à frente da fundação do Centro de Arte Contemporânea W, criado pela artista Weimar, onde atua como curador desde então.

Outra importante forma de aporte foi a doação de obras de cerca de 120 artistas, entre eles Cildo Meireles, Rivane Neuenschwander e Ernesto Neto, boa parte delas vendidas em um leilão na Casa Goia e na Feira Parte, ambas em São Paulo. Um programa de múltiplos, realizado com obras integralmente doadas por Regina Silveira, Jorge Menna Barreto, Sandra Cinto e Albano Afonso também tem gerado recursos para à compra de materiais de construção.

No total, o Veras está orçado em R$ 2,35 milhões, incluindo aí a compra do terreno, o projeto arquitetônico, a construção e os equipamentos. Desse total, faltam ainda serem captados R$ 630 mil. Se tudo for obtido ainda neste ano, com a campanha de financiamento coletivo a ser lançada no primeiro semestre de 2020, o espaço será inaugurado no início de 2021.

Pilares

Quando fala do Veras, Mattos costuma referir-se no plural, “nosso projeto”, o que inclui sua companheira e outros quatro amigos, “que não são do campo da arte”.  O centro cultural, assim, “pertence a uma associação de direito privado sem fins lucrativos, a mesma estrutura jurídica da maioria dos museus privados no Brasil”, como define o curador.

O edifício de 1.100 m2 foi concebido pelos escritórios Terra e Tuma Arquitetos Associados e Gabriella Ornaghi Arquitetura de Paisagem, ambos de São Paulo.  Terra e Tuma ganhou, em 2016, o prêmio de melhor casa do mundo pelo ArchDaily, graças à moradia de Dona Dalva, na Vila Matilde.

Quando fala do Veras, Mattos costuma referir-se no plural, “nosso projeto”, o que inclui sua companheira e outros quatro amigos,  “que não são do campo da arte”

O nome Veras vem da rua onde ele se encontra, Vera Linhares, no centro da Ilha de Florianópolis, que não coincide com o centro da cidade, mas está a 500 metros das duas universidades públicas da capital, a Federal e a Estadual. Contudo, Veras também poderia ser uma referência aos Vedas, os quatro livros que formaram o sânscrito e de onde, de fato, vem a inspiração para os quatro pilares conceituais do espaço: ciência, filosofia, Yoga e arte. “Nos Vedas, elas são as bases que sustentam uma comunidade”, explica Mattos.  No Veras, no entanto, foi feita uma tradução livre de dois desses conceitos:  ciência foi alterada para educação e sustentabilidade ficou no lugar de filosofia.

Mattos observa que, no Brasil, essa transversalidade já ocorre em outros espaços culturais, como o SESC. “Eu acredito muito na transversalidade como forma de superar o desafio de formação de público em nossa região”, conta o curador, a partir de sua experiência como diretor do Museu de Arte de Santa Catarina por dois anos, em 2017 e 2018. Ele saiu de lá para uma residência artística no Japão.

Diálogos

“Quando decidi dar início ao processo de concepção de um centro cultural, então solitário e silencioso, não podia imaginar quanto o contato com a História da Arte me permitiria aproximar experiências antes experimentadas apenas no contato com buscadores de caminhos espirituais. Foi quando me deparei com a obra de artistas que pareciam ir no mesmo sentido e tive a sensação de pertencer a uma vasta comunidade”, afirma o curador.

Para ele, referências para o trabalho no novo centro cultural serão, entre outros, os experimentos de Joseph Beuys (1921 – 1986), o misticismo de Mondrian (1872 – 1944) ou de Agnes Martin (1912 – 2004), a condição clínica dos últimos experimentos de Lygia Clark (1920-1988) assim como o criador dos happenings, Allan Kaprow (1927 – 2006) ou o suprassensorial Hélio Oiticica (1937 – 1980) com a arte ambiental. Da atualidade, ele aponta Jorge Menna Barreto, “que fez da escultura social do Beuys o que ele chama escultura ambiental, envolvendo comunidades pouco convencionais no sistema de arte”, Mônica Nador, com sua noção de autoria compartilhada, Sandra Cinto, Ernesto Neto, Bené Fonteles, Rodrigo Bueno, com quem preserva fortes elos.

No campo das exposições, “o que a gente pretende desenvolver aqui são imersões de alguns artistas com a comunidade, muito pouco familiarizada com o estatuto desse artista que não precisa desenvolver objetos”, afirma. Uma referência é a bienal Manifesta, que ocorreu em Zurique, em 2016, onde artistas foram criar projetos na cidade. “Em Florianópolis, nós temos quarenta e poucas praias, duas comunidades rurais, um centro urbano minimamente desenvolvido, e a questão é como criar mecanismos de arte contemporânea que façam valer essa topografia singular.  O que nós queremos é dar voz a artistas que estejam dispostos a criar relações e promover diálogos, independente de se o que for realizado possa ser chamado de arte, porque creio que essa questão hoje não é mais pertinente”, conclui. 

Inscreva-se em nossa newsletter

   

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome