Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural, durante seminário organizado pela arte!brasileiros e pelo IC em 2019. Foto: Divulgação
Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural, durante seminário organizado pela arte!brasileiros e pelo IC em 2019. Foto: Divulgação

Diretor do Instituto Itaú Cultural (IC) há dez anos, Eduardo Saron acredita que “a partir de agora, teremos de encontrar um novo normal, ou melhor, uma nova realidade”. Durante e após o período da crise com o novo coronavírus, em um ecossistema cultural e econômico extremamente afetado, ”as instituições que tiverem a capacidade de dar respostas e de correr riscos para ajudar a desenhar este novo real se destacarão.”

Em entrevista dada por e-mail à arte!brasileiros, Saron, que também é um dos diretores do MAM-SP desde 2019, afirma que “paradoxalmente, o pós-corona trará uma humanização da sociedade, o que, por sua vez, demandará o fortalecimento da ciência, o avanço da educação e a ampliação do fazer artístico. Nós, que estamos intimamente ligados ao mundo do conhecimento, precisaremos estar prontos para responder à altura este desejo”.

Com uma série de iniciativas em suas plataformas digitais (saiba mais), o IC lançou nas últimas semanas editais de emergência voltados à artistas de diversas áreas, de música, poesia, artes cênicas e visuais. Questionado se os editais não poderiam incentivar uma mentalidade competitiva prejudicial neste momento de crise, Saron defende que a iniciativa “se propõe a acolher parte dos artistas sujeitos a atuar isoladamente e sem remuneração neste período de supressão social”, ajudando “a oferecer liquidez para a economia da cultura nesse período crítico”.

O diretor do IC falou também sobre a necessidade de as instituições culturais darem um salto da ideia de democratização – “onde as métricas de sucesso se tornaram a catraca” – para a de participação, onde o tripé “formação, fomento e fruição” ganha espaço. Ele critica também a falta de uma política de Estado para a Cultura e destaca a importância de preservação da memória. Leia a seguir a íntegra da conversa:

ARTE! – Estamos vivendo um momento sem precedentes na história, por conta da pandemia do coronavírus, então eu queria começar perguntando como vocês estão lidando com isso no Itaú Cultural? Como estão agindo e que tipo de planejamento estão fazendo?

Nesse período de pandemia, umas das nossas primeiras medidas foi garantir a suspensão social dos colaboradores do Itaú Cultural, que estão trabalhando remotamente. Em outra frente, deflagramos uma série de ações para ampliar nossa atuação digital, oferecendo mais arte e cultura para nossos diversos públicos no ambiente virtual.

Uma das nossas preocupações também foi a de manter ativa a economia da cultura. Nesse sentido, mais uma medida que adotamos imediatamente foi garantir, para já, a remuneração prevista nos contratos de todos os artistas que iriam se apresentar no Itaú Cultural e tiveram as suas atividades suspensas em virtude da quarentena. Posteriormente, eles voltarão a fazer parte da nossa agenda de programação. Dentro desse pensamento, ainda criamos editais emergenciais que acolhem a produção dos artistas hoje sujeitos a trabalhar nesta condição de supressão social.

Confesso que o planejamento não é uma tarefa fácil. Tenho conversado muito com a equipe e buscado orientações com o presidente do Itaú Cultural, Alfredo Setubal. Como todos, tivemos de nos reinventar e reorganizar os recursos, não somente financeiros, como também organizacionais e humanos, uma vez que, mesmo com a situação diferenciada que o Itaú Cultural tem, fazemos parte deste ecossistema cultural e econômico, hoje, extremamente afetado.

ARTE! – O IC acaba de lançar o terceiro edital de emergência para produções culturais criadas durante a pandemia, relacionadas a esse período de isolamento social. Gostaria que você falasse um pouco sobre o intuito destes editais, mais especificamente o de artes visuais e fotografia, e qual a importância da iniciativa neste momento.

O Itaú Cultural tem uma forte tradição na realização de editais e chamamentos públicos para fomento. Por exemplo, o programa Rumos Itaú Cultural, que há mais de 20 anos promove o apoio à produção artística e a difusão da arte e da cultura entre os projetos inscritos vindos de todo o país e selecionados por comissões de excelência, ou a convocatória a_ponte: cena do teatro universitário, que lançamos em 2018, destinada a alunos de vários perfis de ensino. Essas experiências sempre nos surpreendem ao revelar novas produções e artistas.

Resolvemos lançar esses microeditais de emergência por essa razão, associada ao fato de que precisamos ajudar a oferecer liquidez para a economia da cultura nesse período crítico. Além de, naturalmente, oferecer oxigênio criativo afetivo para as pessoas que nos acompanham virtualmente nos nossos canais.

Começamos por artes cênicas, pelo desafio desta linguagem para gerar ações virtuais. Uma semana depois, avançamos sobre o campo da música e agora optamos pelas artes visuais. Não somente esta iniciativa provoca fazer um registro de como se está fazendo arte neste momento histórico, como também a instituição se propõe a acolher parte dos artistas sujeitos a atuar isoladamente e sem remuneração neste período de supressão social. Nosso intuito é lançar um edital por semana e abranger o maior número possível de áreas de expressão artística.  

ARTE! – Em um texto publicado na revista Select, intitulado “Parem a competição já”, os artistas e pesquisadores Flora Leite e Daniel Jablonski questionam o papel deste tipo de incentivo no atual contexto. Argumentam, entre outras coisas, que o estimulo à produção durante a quarentena aumenta a pressão sobre os artistas, como se fosse urgente criar um “imaginário da crise”; que ele pode resultar na criação de obras de qualidade duvidosa; e que incentiva uma mentalidade competitiva que recompensa a produtividade como única moeda de troca. Enfim, eles propõem que existem outros caminhos para apoiar o trabalho de artistas neste momento. O que você pensa sobre isso?

Como comentei no início, nós temos uma tradição na realização de editais nas múltiplas áreas de expressão, algo que se consolidou na gestão de Milu Villela. Associado a isso, temos percebido uma intensa difusão artística ocorrendo nas plataformas virtuais nesse momento. Nosso intuito é oferecer mais dignidade para a produção e o pensamento artístico em um período como este, mesmo sabendo que, naturalmente, temos escalas limitadas para podermos fazer esse tipo de apoio.

Os editais sempre foram bem-vindos no Brasil, se consolidando legitimamente ao longo dos anos como um mecanismo objetivo para apoiar projetos de arte e cultura realizados no país. Não temos como atender a todas as propostas em circulação. Neste momento de urgência, eles nos permitem estabelecer critérios para manter a economia da cultura funcionando. 

Como em todo momento de crise, a produção artística e intelectual se intensifica naturalmente. Quando nos afastarmos desse momento histórico teremos, a meu ver, duas questões a serem observadas. A primeira é quais leituras, análises e provocações artísticas foram contundentes a ponto de transbordarem o próprio tempo da coronavírus. Na segunda, poderemos observar o que era frágil e não permaneceu, se tornando apenas um registro de uma pandemia.

ARTE! – Em um texto publicado recentemente na Folha de S.Paulo, a artista e professora Giselle Beiguelman afirmou que após um mês de isolamento é possível perceber que as instituições culturais de modo geral estão ainda na “idade da pedra” da internet. Que foram pegas completamente despreparadas, sem bons conteúdos criados para a web. Queria saber como você vê essa questão de modo geral e no caso específico do Itaú Cultural.

A atividade artístico-cultural tem, por natureza, um modus operandi de agregação de pessoas. Aliás, é algo que se coaduna, ou que se coadunava, ao pré-corona. Porém, considero muito forte a afirmação de que as instituições brasileiras estão na idade da pedra da internet, afinal este período se limitava à propagação somente de textos. Vejo que muitas instituições culturais não apenas superaram esta fase, como também alcançaram espaços de interação com o seu público por meio de cursos, percursos educativos, difusão de programação; todos no campo virtual. A partir de agora, teremos de encontrar um novo normal, ou melhor, uma nova realidade. Nesse sentido, as instituições que tiverem a capacidade de dar respostas e de correr riscos para ajudar a desenhar este novo real se destacarão.

No nosso caso, estamos empenhados em buscar essas respostas. Não é fácil e talvez ainda erremos muito, até porque nada mais será como antes. Neste momento, estamos, mais do que nunca, nos reencontrando com o que originou o Itaú Cultural. A organização nasceu para ser uma base de dados de artes plásticas, que hoje é parte da Enciclopédia de Arte e Cultura Brasileira. Hoje somos muito mais do que isso, mas esta pandemia nos fez olhar com atenção para essa nossa missão de origem, apontada por Olavo Setubal há mais de 30 anos quando criou o Itaú Cultural. Vamos aprofundar nossa atuação no digital.

ARTE! – Imagino que era algo planejado já muito antes da quarentena, mas vocês acabam de lançar o Painel de Dados do Observatório Itaú Cultural, uma plataforma digital dedicada à análise de dados da cultura e da economia criativa. Gostaria que explicasse resumidamente o que é e qual a importância de um projeto como esse, inédito no Brasil.

Essa pergunta me permite continuar respondendo a anterior, pois, embora já estivéssemos desenvolvendo há mais de oito meses este Painel de Dados, ele reforça a nossa vocação de produzir material por meio digital. O Painel de Dados é uma ferramenta aberta e inédita, que permite pesquisar indicadores de emprego, empresas, financiamento público e comércio internacional de produtos e serviços criativos, para subsidiar pesquisas, agentes do mercado e a formulação de políticas públicas. Esta é a primeira plataforma digital do país inteiramente dedicada à análise de dados da cultura e da economia criativa. O projeto tem como objetivo fornecer aos visitantes um arsenal de dados sobre estes setores, em três grandes eixos: emprego/empresas, financiamento público e importação e exportação de produtos e serviços. Para a execução deste Painel de Dados, foram processados aproximadamente 10,4 milhões de dados, de várias fontes públicas, como IBGE, RAIS, do Ministério da Economia e a PNAD Contínua.

ARTE! – Ainda sobre esse contexto da pandemia do coronavírus, nesses últimos tempos acompanhamos uma série de demissões em museus como Serralves, MoMA e outros. No Itaú Cultural há algum risco de isso acontecer?

As instituições, no Brasil e no mundo, vão passar por uma profunda reorganização, inclusive abrindo um debate sobre a sua missão e propósito. Certamente, isso não será percebido agora, imediatamente. Porém, mais adiante entenderemos e viveremos isso como um efeito desse novo normal, desse novo real. As demissões que algumas instituições realizam hoje, certamente, fazem parte de um programa que passa inclusive pela própria sobrevivência. No nosso caso, temos uma situação diferenciada, mas permanecemos atentos à conjuntura econômica e às novas modelagens que virão.

A sede do Itaú Cultural, na avenida Paulista, em São Paulo. Foto: Edouard Fraipont

ARTE! – Em debate realizado recentemente pela arte!brasileiros e pelo Itaú Cultural você fez uma análise sobre a situação da gestão cultural no Brasil nas últimas duas décadas e falou na necessidade de se avançar da ideia de “democratização” do acesso à cultura para a ideia de “participação”. Gostaria que você explicasse um pouco o que seria este “salto” e o que exatamente significa essa ideia de participação de que você fala.

Nos últimos 30 anos, as políticas culturais foram pautadas com o grande propósito da democratização do acesso. Isso foi fundamental para que pudéssemos aumentar as escalas de público atingido, multiplicar palcos e ampliar a difusão artístico-cultural brasileira. Para dar uma ideia do que isso significa, em 1995, a relevante exposição que gerou grande público atraiu quase 200 mil pessoas. Foi a mostra de Rodin, naquela época promovida pela Pinacoteca de São Paulo, quando Emanuel Araújo dirigia a casa. O recorde de público foi aplaudido pela crítica e reconhecido pela mídia. Recentemente, o MASP trouxe uma artista brasileira, Tarsila do Amaral, e obteve um público de quase 500 mil pessoas.

A democratização do acesso veio para ficar, porém precisamos pensar em um novo propósito, no qual a democratização seja parte dele, mas não um fim em si mesmo.  A minha crítica em relação a esse conceito é que, como centro da nossa orientação, ao longo desses anos, ele gerou uma distorção em nossa atuação. Passamos a nos orientar por uma localização analógica do CEP, onde as métricas de sucesso se tornaram a catraca, a espetacularização da arte e os novos prédios. Esses três fatores acabam empurrando a gestão cultural para um campo perigoso do entretenimento em que se usava o volume de pessoas, os fogos de artifício e novos equipamentos para  responder, de maneira superficial, ao tema ao invés de pensarmos a cultura e a arte brasileiras como um todo.  Isto tudo, legitimado pela distorção do que, de fato, é democratização do acesso. Obviamente que esses três itens são relevantes, mas, como disse, não podem ser a grande métrica.  Em relação aos novos prédios, naturalmente, não sou contra o surgimento de equipamentos culturais, ao contrário, mas desde que sejam criados com uma necessidade institucional real e com um plano de sustentabilidade para a sua manutenção após a abertura.

A meu ver, o propósito maior de uma instituição cultural e de uma política cultural tem de alcançar outro patamar, no qual a democratização do acesso deve fazer parte, mas o propósito maior deve ser a participação dos sujeitos. Isso nos reposiciona como responsáveis, por meio da arte e da cultura, pela transformação da sociedade e para contribuir para o seu desenvolvimento econômico. Por exemplo, temos de ter, de forma mais consistente, uma programação de formação, fruição e fomento. Com isso, o público, a produção e os artistas se entrelaçam sob uma outra ótica, que é a da troca de repertórios, do diálogo entre conteúdos e da interação das pessoas. Esse conjunto passa a ter muito mais relevância do que a simples disponibilização de conteúdo.

ARTE! – Agora, fiquei pensando também em como é possível lidar com essa ideia de participação neste momento de quarentena… Apesar da impossibilidade da presença física de visitantes, ainda é possível nortear o trabalho a partir desta ideia de participação?

Retomando a ideia do tripé formação, fomento e fruição, um conjunto importante dessas ações pode ser realizado de maneira virtual. Naturalmente, temos o desafio de ultrapassar uma internet de velocidade baixa e de custo alto para a população mais carente. Por outro lado, isso nos provoca a oferecer produtos e programas que não sejam simplesmente uma transferência de ações presenciais para o universo digital.

A mudança de paradigma, a resposta a dar em breve, é como fazer programação no digital para levar para o presencial e não o contrário. Aliás, essa minha crítica, em especial, sobre a catraca e a espetacularização ficará ainda mais contundente em tempos de pós-corona onde juntar multidões, infelizmente, deverá ser repensado. A meu ver, nada disso nos fragilizará. Paradoxalmente, o pós-corona trará uma humanização da sociedade, o que, por sua vez, demandará o fortalecimento da ciência, o avanço da educação e a ampliação do fazer artístico. Nós, que estamos intimamente ligados ao mundo do conhecimento, precisaremos estar prontos para responder à altura deste desejo.

ARTE! – Falando sobre o trabalho do IC ao longo das décadas, alguns projetos são muito marcantes nessa trajetória da instituição. Um deles é o Rumos, que tem mais de 20 anos e é um projeto de apoio e fomento à cultura. Voltando um pouco ao assunto dos editais, até que ponto é papel de empresas privadas fomentar a cultura no país? Este caminho seria uma alternativa à ausência de apoios estatais na área?

A arte e a cultura não podem ser reféns de dirigismos culturais, seja de que fonte for. Na minha opinião, a multiplicidade de recursos e iniciativas públicas e privadas é essencial para se ter uma boa política de Estado. O Itaú Unibanco tem uma história de apoio à arte e à cultura, que se manifesta por meio do Itaú Cultural, do Espaço Itaú de Cinema, que recebem recursos diretos do grupo, assim como é direto o patrocínio a iniciativas como o Rock in Rio. Também de apoio a mais de 100 projetos de terceiros em todo o país, por meio do incentivo fiscal.

Além disso e do programa Rumos, que você mencionou, temos o maior acervo de obras de arte corporativo da América Latina. Ele circula por diversas instituições culturais dentro e fora do Brasil de forma gratuita, como o são todas as atividades que o Itaú Cultural oferece. Esse entendimento resulta da percepção de que o século XXI exige mais e mais pessoas criativas e com senso crítico para que o país possa se transformar e desenvolver. A arte e a cultura têm a força para fazer isso acontecer, do contrário sucumbiremos à automatização e aos algoritmos.

ARTE! – Você já afirmou diversas vezes que o Brasil não tem uma política consistente para as artes, para a cultura. A classe artística, no entanto, não parece ter se sentido tão ameaçada em nenhum outro momento da história recente do país como no atual contexto, com o atual governo federal. Como enxerga este momento?

De fato, o Brasil não tem uma política de Estado para a nossa área. Não é de hoje. Há sete anos que o Fundo Nacional da Cultura, um instrumento importantíssimo na constituição de uma política cultural consistente tem visto, sucessivamente, o seu orçamento ser reduzido, mesmo tendo uma fonte segura de recursos advinda das loterias, o que geraria por ano por volta de R$ 350 milhões a R$ 400 milhões para o fundo.

Este ano vence o primeiro decênio do Plano Nacional de Cultura, que é um importante documento de referência para o nosso setor em virtude do seu ineditismo e olhar federativo, mas é frágil pelo aspecto de suas metas. Erroneamente, o PNC indica mais de 50 metas. Um plano com um número exagerado de metas nos faz imaginar que praticamente não tem meta nenhuma. A meu ver, este governo deveria priorizar a análise dessas metas e, em diálogo com a sociedade, propor novas e mais objetivas prioridades para a próxima década, na ótica da participação e do olhar sistêmico para o conjunto das iniciativas culturais e a garantia de liberdade de expressão.

Outro indicativo de vulnerabilidade nas políticas públicas é o fato de que em 30 anos de existência de um órgão dirigente de cultura tivemos, em média, um responsável a cada 10 meses, com exceção de Francisco Weffort, que permaneceu no cargo por oito anos, e de Gilberto Gil, por cinco anos e meio. Tudo isso sem contar, ainda, a histórica fragilidade da Funarte, em tese a instituição pública que deveria ser a responsável por fomentar a arte no Brasil.

ARTE! – Mas falando sobre este governo atual, situações de censura, que de modo geral pareciam parte do passado da história do país, voltam à pauta do dia, criando situações de tensão para artistas e instituições culturais. Como diretor de uma instituição deste tipo, como trabalhar neste contexto? Há uma preocupação neste sentido por parte do IC?       

Para nós, a liberdade de expressão é um pressuposto essencial para a criação artística, mas é sempre importante a busca do diálogo com outros instrumentos legais, como por exemplo, o Estatuto da Criança e do Adolescente. Com isso, a obra e a arte ficam garantidas e preservadas, mas os pais e os responsáveis têm de ser informados adequadamente sobre os motivos da indicação da faixa etária, para que eles próprios decidam se as crianças podem, ou não, acessar aquele conteúdo.

ARTE! – Por fim, um dos grandes focos do IC tem sido trabalhar com história e memória. Isso se relaciona não só com história da ditadura, mas da escravidão, das heranças indígenas e africanas e dos vários períodos da história do país. Qual a importância deste trabalho e como ele tem sido feito?

O país mal tem políticas para preservar a sua memória. Somos muito afeitos ao novo, ao imediato, mas não há inovação sem conservação. Por isso, tratar da nossa memória é determinante para que possamos nos entender e compreender nosso processo de desenvolvimento, de modo a ganharmos consciência das nossas várias trajetórias para, inclusive, propormos não só múltiplas narrativas, como também nos prepararmos para o ineditismo e o novo.

Cadastre-se na nossa newsletter

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome