Home Featured MAM Rio lança novo Clube dos Colecionadores em ação solidária

MAM Rio lança novo Clube dos Colecionadores em ação solidária

0
MAM Rio lança novo Clube dos Colecionadores em ação solidária
Anna Bella Geiger, “Burocracia – O Mundo”, 2019. Divulgação

O Museu de Arte Moderna do Rio – MAM Rio lançou o programa Clube dos Colecionadores em ação solidária. O projeto destina metade do montante arrecadado com a venda de obras para a manutenção do museu, para o apoio de ações de arte, educação e desenvolvimento comunitário. A outra metade será encaminhada a dois projetos de ação social importantes no Rio de Janeiro: Lanchonete<>Lanchonete (Pequena África – Gamboa, RJ) e Galpão Bela Maré (Maré, RJ).

O Clube de Colecionadores do MAM Rio foi criado em 2004, como uma forma de democratizar e popularizar a arte a partir do estímulo à formação de novas coleções. A cada edição, cinco artistas são convidados pela Curadora de Artes Visuais do museu a desenvolverem trabalhos em formato de múltiplos. O resultado é um conjunto que destaca as possibilidades artísticas da produção contemporânea brasileira.

Para a edição #6 do programa, realizada em 2019, foram convidados os artistas: Anna Bella Geiger, Daniel Senise, Marcelo Cidade, Maxwell Alexandre e Denilson Baniwa, cujo trabalho ilustra a capa da nossa edição #50. Os 50 conjuntos de múltiplos remanescentes dessa edição compõem a ação solidária do MAM Rio. Em reconhecimento ao apoio ao projeto, os compradores recebem um ano de adesão ao programa Amigos do MAM, que oferece benefícios exclusivos como entrada gratuita no MAM Rio e SP e uma série de descontos. Vale lembrar que o museu encontra-se em fase de revitalização institucional e vem adaptando suas atividades para a web durante a pandemia.

50% dos recursos arrecadados serão direcionados à Lanchonete<>Lanchonete (Pequena África – Gamboa, RJ) e ao Galpão Bela Maré (Maré, RJ). A Lanchonete<>Lanchonete é uma cozinha comunitária e trabalho coletivo mobilizado pela artista Thelma Vilas Boas desde 2015. Já o Galpão Bela Maré integra o Observatório de Favelas, organização que inclui a cultura como parte da superação das desigualdades sociais, com atuação na Maré desde 2001. Ambas atuam fortemente no desenvolvimento de suas comunidades e redes de artistas de regiões vulneráveis da capital carioca.

As obras

Cada autor enviou uma descrição de sua obra ao MAM Rio para contar suas inspirações e até explorar um detalhe do trabalho. Confira abaixo as obras e as palavras de cada artista:

Maxwell Alexandre, “Sem título”, série Reprovados, 2019. Foto: Divulgação

Maxwell Alexandre: “Me veio à cabeça algo relacionado a série Reprovados (2018), sobre a rede municipal de ensino do Rio de Janeiro. A ideia de múltiplos poderia se referir a quantidade de alunos de uma turma, um pátio, ou ônibus escolar … Então escolhi a camisa da escola pública e como suporte o papel pardo, sínteses das séries Reprovados e Pardo é Papel (2018), respectivamente. As camisas de escolas servem para uniformizar/padronizar, mas vestem indivíduos. Pintar 100 camisas uma a uma, a mão, era uma maneira honesta de cruzar essas duas premissas. A única matriz usada no processo foi minha memória, do objeto idealizado ao gesto”.

Denilson Baniwa, ‘Metrô-Pamuri-Mahsã’, 2019. Foto: Divulgação

Denilson Baniwa: “No início do mundo havia a grande Cobra-Canoa-da-Transformação e foi ela quem levou embarcados em seu ventre todos primeiros humanos aos seus lugares onde vivem atém hoje. Esta grande serpente que veio do céu em forma de raio e relâmpago chama-se Pamurĩ Yuhkusiru. Na cidade em meio ao concreto e ferro, transitando diariamente no subterrâneo e com seu ventre abarrotado com diversidade incontáveis de identidades leva os humanos atuais aos seus lugares, a esta grande serpente de metal e olhos de leds dou o nome de Metrô-Pamurĩ-Mahsã (Cobra – Canoa-da-Gente-Metrôpolitana)”.

Daniel Senise, “Sem título (nuvem)”, 2019. Foto: Foto: Divulgação

Daniel Senise: “Quando eu era criança, meu pai, aviador, costumava fotografar suas viagens. Seu acervo de negativos está guardado comigo e uma boa parte dele é de nuvens. O trabalho que propus para o Clube dos Colecionadores usa uma dessas nuvens como elemento central: um momento no céu do norte ou do nordeste do Brasil há 60 anos, reenquadrado agora por mim”.

Marcelo Cidade, “Alerta de gatilho”, 2019. Foto: Divulgação

Marcelo Cidade: “O que proponho é um trabalho colaborativo entre o museu e eu, resultante em um contrato social. evidenciando essa troca como parte do trabalho. No documento, o museu se compromete a usar sua importância institucional para negociar a retirada de circulação de 100 gatilhos de armas de fogo que foram apreendidas pela polícia carioca. Os gatilhos dessas armas seriam doados (adquiridos) ao museu, e integrariam, junto com o contrato, o múltiplo que os colecionadores vão receber. A chave do trabalho é o fato de que uma arma sem gatilho não funciona, e a intenção da obra vai ser tentar romper com a lógica armamentista a partir do desmonte literal de 100 armas”.

Anna Bella Geiger, “Burocracia – O Mundo”, 2019. Divulgação

Anna Bella Geiger: “A sequência das quatro mulheres pronunciando a palavra BU-RO-CRA-CIA surgiu em 1974 como um dos “assuntos” para uma das páginas do meu caderno de artista–cartilha intitulado Sobre a Arte . É uma referência a um anúncio dos anos 1930 de um produto de brilhantina em que quatro rostos de mulher pronunciam silabicamente o nome da marca. Nas outras seis páginas do pequeno caderno constam as palavras IDEOLOGIA, AVENTUREIRISMO, e CORRENTES Dependentes/Dominantes, entre outras questõe s polêmicas na época. Ainda em 1974, passei o desenho da ‘Burocracia’ para a gravura em metal e para a pintura, mantendo propositalmente certo estilo de cartaz popular em que as palavras não possuem um padrão gráfico de ‘qualidade'”.

A ação solidária vai até 30 de junho 2020.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Fale com a gente