"Cena de crime IV", de Laís Matias, é uma das obras a compor a Exposição do Prêmio Vozes Agudas para Mulheres Artistas. Foto: Cortesia Vozes Agudas

Voltado exclusivamente para mulheres, o Prêmio Vozes Agudas recebeu mais de 800 inscrições em sua primeira edição. Com objetivo de construir plataformas de visibilidade para o trabalho de artistas mulheres ainda não absorvidas pelo circuito tradicional das artes, o edital selecionou três vencedoras, concedeu duas menções honrosas e no próximo dia 22 de março abre sua primeira exposição coletiva, unindo essas artistas a um grupo de doze convidadas na Galeria Jaqueline Martins, em São Paulo.

Com entrada gratuita, a mostra fica em cartaz até o dia 01 de abril e a visitação pode ser agendada com a própria galeria. Pensando em permitir o acesso àqueles que seguem em isolamento ou moram em outras cidades e estados, o coletivo também disponibilizou as obras em seu site (clique aqui). Nos próximos meses, a exposição terá ainda um outro recorte em Brasília, na Galeria Karla Osório, reunindo artistas do Centro-Oeste; e uma última versão em Recife, em local a ser definido, buscando apresentar trabalhos das regiões Norte e Nordeste.

Em todas as ocasiões, participam das mostras as vencedoras do prêmio: a fotógrafa gaúcha afro-futurista Laryssa Machada; a mineira Massuelen Cristina, que transita por mídias tecnológicas para construir narrativas subjetivas de percepção, em que aspectos raciais e de gênero dialogam com as contradições da vida; e a paulista Monica Coster, com seu trabalho escultórico e performático com uma perspectiva poético-biológica dos processos digestivos; bem como, o coletivo Terroristas del Amor (CE) e a artista Vulcânica PokaRopa (SP), menções honrosas no edital.

Na edição paulista, especificamente, integram a exposição as convidadas Alice Yura (MS), Ana Elisa Gonçalves (MG), Bella PPK do Mal (SP), Bruxas de Blergh (MG), Érica Magalhães, Érica Storer (PR), Laís Matías (SP), Lília Malheiros (SP), Maria Livman (SP), May Agontinme (SP), Mirla Fernandes (SP) e Vanessa Ximenez (RJ).

Adentrando o circuito artístico

Situado em São Paulo, o Vozes Agudas é um coletivo feminista de estudos e intervenções. Ligado ao Ateliê397 (leia nossa matéria sobre o espaço independente), ele é formado por artistas, pesquisadoras, curadoras e gestoras culturais. O Prêmio foi uma das iniciativas de 2020, visando dar espaço a mulheres que seguiam à margem do circuito das artes, seja por questões de linguagem ou contingência social.

Por isso, além da participação nas exposições, cada uma das vencedoras ganhou um prêmio no valor de R$1.000,00 e um conjunto de atividades para impulsionar a divulgação de seus trabalhos. Devido à boa repercussão, o Coletivo Vozes Agudas já planeja uma segunda edição a ser lançado ainda em 2021.

Serviço

Galeria Jaqueline Martins – Rua Cesário da Mota Junior 443 – Vila Buarque
06 de março a 01 de abril.
Segunda a sexta, das 10 às 19h.
Sábado das 12h às 17h.
Entrada gratuita
Para saber mais, acompanhe a nossa agenda. 

Cadastre-se na nossa newsletter

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome