Da esquerda para a direita, Sandra Benites, Keyna Eleison, Livia Conduru e Vânia Leal, equipe à frente da concepção da primeira Bienal das Amazônias. Foto: Fabricio Sousa
Da esquerda para a direita, Sandra Benites, Keyna Eleison, Livia Conduru e Vânia Leal, equipe à frente da concepção da primeira Bienal das Amazônias. Foto: Fabricio Sousa

Há mais de duas décadas, a produtora cultural paraense Lívia Condurú acalenta o desejo de criar uma Bienal das Amazônias, que finalmente terá sua primeira edição neste ano, entre os dias 3/8 e 5/11, em Belém (PA) e outras cidades da Amazônia brasileira. Era um sonho sonhado a dois, ou melhor, a duas, com a amiga Yasmina Reggad, curadora do Pavilhão da França na 59ª Bienal de Veneza, ocorrida no ano passado, e cofundadora e curadora da ARIA (Artist Residency in Algiers). Yasmina atuará como diretora artística da exposição. Por ora, estima-se que participarão 115 artistas, e que a mostra alcance, até seu encerramento, um público total de cerca de 300 mil pessoas.

Desde sua origem, um dos pontos pacíficos do projeto é que a Bienal extrapolasse o ambiente institucional da arte, assumindo “espaços da rua, da urbanidade, para debater os usos que a gente faz da cidade a partir da arte”, conta Lívia. Para tanto, além de expor 20 obras públicas, em endereços diversos da capital paraense, a Bienal terá, como sede, não um museu ou centro cultural já consolidado no cenário artístico da cidade, mas uma antiga loja de departamentos, um espaço de quase 8 mil metros quadrados, cujo endereço ainda é mantido em segredo.

Lívia destaca que a Bienal estará falando a partir de um território que as pessoas, em geral, não visualizam como ele é de fato. “Há uma dinâmica um tanto exótica, como se na verdade nós nos reduzíssemos ao bioma. Quando pensamos o nome [da Bienal], já partimos de uma lógica de que não somos uma Amazônia, somos diversas. Somos, assim, um emaranhado de identidade, de culturas, que às vezes se encontram na diversidade, na adversidade e no desafio de resistir enquanto território”, pondera.

Lívia havia conhecido Yasmina em 2011, numa oficina que a curadora franco-argelina ministrou, durante o Paraty em Foco. No ano seguinte, Yasmina foi então a Belém, onde juntas delinearam as demais premissas da Bienal. Uma delas era estabelecer que a exposição não se limitaria à Amazônia Legal – que contém nove estados brasileiros –, mas abarcaria todos os oito países e a Guiana Francesa, um território ultramarino, que compõem a região. Outra proposta era reivindicar para os amazônidas as narrativas acerca de sua própria produção simbólica e artística.

“Temos uma produção absolutamente rica e contemporânea, e que ninguém olha, porque a nós parece que, aparentemente, foi legado apenas aquilo que se entende por artesania”, pondera Lívia. “E isso acaba nos tirando um pouco da dinâmica, da inteligência da construção de saberes importantes. Como se a gente tivesse sempre à espera desse salvador e desse salvamento, quando na verdade a gente tem as soluções”.

A primeira edição da Bienal das Amazônias deveria ter acontecido em 2021, mas o projeto enfrentou dois obstáculos: primeiro, sofreu com a demora para homologação de sua execução, com a perseguição à cultura empreendida pela gestão Bolsonaro; segundo, precisou ser adiada por causa do recrudescimento da pandemia, ainda naquele ano. Adiada para 2022, foi novamente cancelada, também devido a entraves relacionados à administração pública federal.

A produtora também ressalta que, outro interesse da Bienal, enquanto espaço e instituição artística, é gerar debate, “permitir que a população amazônida se enxergue e se fortaleça nessas metodologias de sobrevivência e de resistência”, diz. “Então, é importante para nós que esse público, que não é o público de arte propriamente dita – não porque não queira, mas porque às vezes não se sente pertencente a um espaço nacionalizado de arte, como os museus – tenha acesso a esse lugar. Porque ele transita nesse lugar, dia e noite, para trabalhar, para fazer suas compras etc.”.

CURADORIA

Ainda em sua gênese, a Bienal partiu do princípio de que não teria um curador solo, mas um coletivo curatorial. Foi decidido que ele se chamaria sapukai, segundo comunicado da Bienal, uma “palavra derivada da língua tupi que é traduzida em português para canto, clamor, grito”. Em seu recorte, a curadoria deveria ter como proposta incluir “questões como prazer, alegria, desejo, cobiça, violência e invisibilização históricas”.

Num primeiro momento, o coletivo era formado por quatro mulheres. Duas integrantes tiveram de sair do sapukai, entre elas a educadora, pesquisadora e curadora Sandra Benites, que no ano passado participou do VII Seminário Internacional, promovido pela arte!brasileiros em parceria com o Sesc. Sandra se afastou da função após a sua recente nomeação para ser a nova Diretora de Artes Visuais da Fundação Nacional de Artes (Funarte). Saiu também a artista, pesquisadora e professora Flavya Mutran, que assumiu um cargo em uma instituição superior de ensino, que exigiu dedicação exclusiva. Permaneceram no coletivo a curadora, escritora, pesquisadora Keyna Eleison e a curadora e historiadora da arte Vânia Leal. Mas o arcabouço geral já estava definido pelo quarteto.

Para Lívia, era essencial que o sapukai fosse composto de mulheres. O projeto, afinal, é um projeto de mulheres, foram mulheres que criaram, salienta. “Foi uma escolha consciente, no sentido de que a gente vivencia um mundo muito violento. Se a gente pensar na Amazônia, a partir de uma lógica da invisibilidade, da violência e de uma série de exotismos, ela se parece muito com o corpo feminino ou feminilizado, dentro do fetiche. Partir de uma construção, nesse território, é simbólico e é importante”.

Na elaboração desta primeira edição da Bienal das Amazônias, as curadoras elegeram a palavra “bubuia”, termo comumente usado na região, como título e ponto de partida para sua conceituação curatorial. De origem tupi (bebui), a palavra pode ser entendida como o “ato ou efeito de boiar (bubuiar), flutuar sobre as águas”, ou ainda sobre “rotas movediças” e “marés flutuantes”, como sugere texto curatorial, em que “as noções de lugar, crença, identidade cultural e modelo econômico são fortemente deslocadas”.

Segundo o texto curatorial, o termo é diretamente inspirado “no dibubuísmo defendido por João de Jesus Paes Loureiro”, um “poeta-profeta” que “nos conduz pelos meandros do tempo e da memória do universo amazônico. Flutuar sobre as águas simboliza a conjugação perfeita de movimento e inércia em favor do prazer, da reflexão e da integração com o meio ambiente, e diz muito sobre a perseverança e resistência de quem habita a região”. 

Ainda de acordo com o texto curatorial, Loureiro ressaltava que “a paisagem amazônica é composta de rio, floresta e devaneio, cuja compreensão se dá por meio de uma dupla realidade: imediata e mediata. A imediata seria uma de função lógica e objetiva. A mediata (que aqui nos interessa) de função mágica, encantatória, estética. A primeira edição desta Bienal das Amazônias é, portanto, um convite à mirada para este território a partir da superposição dessas duas realidades, à semelhança do que acontece durante a mirada de um rio em fluxo: ora o olhar se fixa no leito e suas pedras, ora na água em movimento, ora simultaneamente nas duas.”

Keyna foi convidada para o coletivo em 2021. A curadora destaca que a Bienal nasce como proposta de instituição, ou seja, “como algo que quer e, tomara, seja longevo. E num território não centralizado, de certa forma contra-hegemônico. Não só em relação ao Brasil, mas em relação ao continente e ao planeta, também. Dentro do Brasil, por exemplo, não é no norte que está a linha de pensamento. As Amazônias são um lugar de estudo de pesquisa, de desejo de proteção, mas não é dali que está saindo todo o conhecimento oficialmente. Sai do Rio de Janeiro ou de São Paulo”, argumenta.

Para Keyna, seu trabalho em campo trouxe apenas boas surpresas – mas ela lamenta que sejam surpresas. “Enquanto pesquisadora e curadora, é uma pena que a gente não se articule tanto enquanto territórios vizinhos. A gente tem que brigar muito por essa articulação com os países que nos contornam, mesmo com os latinos mais conhecidos ou, nem que seja, apenas os territórios amazônicos latinos. Não vou dizer que a pesquisa tenha sido feita num formato de guerrilha, mas foi preciso ter uma força de vontade muito maior”.

Sobre a escolha do termo bubuia, Keyna afirma que a palavra aponta, também, para uma ideia de estratégia: “Para boiar no rio Amazonas, é importante você ter um corpo, um conhecimento muito forte, tem que estar muito alerta”. Usando-o como título e conceito, continua a curadora, “a gente traz uma ideia de posicionamentos estratégicos em tempos de guerra, para desenvolvimento do prazer, para proteção de desejos, para que a gente siga podendo sorrir”, explica. “Tem uma ligação muito forte com vida, com práticas que trazem vida, mas que não impedem o reconhecimento da estrutura, das violências que podem nos machucar, nos ferir”.

A partir daí, foram desenvolvidos seis eixos que orientam a curadoria: fontes vitais cambiantes, que traz referências a um centro de culto religioso para o povo inca, com particular atenção e dedicação à água; cisão de contrato, “uma tomada de consciência dos pactos e estruturas (sociais, econômicas, raciais e estruturais) que regem nossa existência”; poder de compartilhar, que se debruça sobre políticas de compartilhamento e práticas artísticas coletivas; clima(x) t(r)emor, “eixo que acata a ideia de que é impossível dar conta de um ‘todo'”; vidas linguagens, que “reconhece as distintas verdades, vidas e linguagens propostas por diferentes cosmovisões”; e, por fim, encontros de desejos, “eixo que vai afirmar as escolhas da curadoria como uma finalidade para construção desse corpo–expositivo”. 

“A partir desses eixos, a gente assume formas que já existem de proteção, que a Amazônia tem, que não dependem de iniciativas vindas de fora, de um governo, por exemplo, mas, sim, das populações, de conhecimentos, de práticas que já acontecem desde muito antes, dentro das relações das populações originárias, das nações originárias, e que seguem até hoje”, analisa Keyna.

A curadora conta que a Bienal trará, por exemplo, práticas que normalmente estariam num campo antropológico, mas que são vistas hoje como objetos de arte. “Algumas performances, que são objetos que têm cheiro, que têm som, vão estar sendo colocadas ali como um ritual para a Bienal. Os termos artísticos são bem limitadores, mas a gente pode chamá-los de instalações, além de terem um caráter performático”, explica.

Para Keyna, o mercado das artes vem se apropriando, nos últimos anos, da produção indígena, o que é colocado também como um desafio para as curadoras. “Mas as próprias bienais se colocam nesse desafio, de articular mercado, intelectualidade, posicionamentos geopolíticos de uma forma muito potente. E eu, apesar de ser a gringa aqui, a sudestina, carioquésima, quero trazer a potência política que uma bienal tem. A gente quer atrair colecionadores nacionais e internacionais, a universidade, os políticos etc., para ver essa proposta a que costumamos chamar, como lema, de ‘nada sobre nós, sem nós'”.

Prossegue Keyna: “A gente não está querendo brigar com o mercado, pegar nada de volta. Mas falar ‘beleza, já entendemos, agora venham para cá, ver que também é gostoso’. E não a partir de uma peleja. A gente quer dançar junto. É uma proposta de festa, é uma proposta de prazer”.

Nascida em Macapá, mas moradora de Belém há 30 anos, a curadora Vânia Leal conta que já tinha a experiência de mapear artistas na Amazônia Legal a partir de um projeto feito em 2002, com o Itaú Cultural. A partir desse conhecimento, afirma que, por a Amazônia ser um lugar de violentação – “de que fazem parte o ciclo da madeira, a cobiça pela nossa biodiversidade, a exploração desenfreada de nossos minérios, de nossa fauna e flora, a morte no campo” –, a questão incide significativamente no sistema da arte na região. “Há uma reverberação não-cliché, mas crítica, em todas as linguagens da arte”, diz.

Vânia explica que, a partir de sua pesquisa de campo, está trazendo um núcleo de artistas de uma Amazônia profunda, que está “fincado lá na floresta, não é representado por galeria, não está num salão de arte, mas tem uma experiência artística inquestionável”.

“Não são nomes legitimados por um sistema de galerias, de bienais etc. Eles estão fora desse grande circuito da arte hegemônica. É o mateiro, o indígena, o quilombola, o caiçara, o ribeirinho, o afro-indígena. Todos esses povos que habitam as Amazônias”, diz. “Há uma comunicação planetária, a gente sabe disso. Aproximações que só a arte convoca. Mas tem um modus operandi muito particular aliado à cultura de cada lugar, mesmo. Eles têm um maneirismo tão seguro, tão próprio, que ele é descolado de códigos hegemônicos. Até mesmo os materiais, de que estes fazedores de cultura lançam mão, os diferencia, por causa de sua origem”.

A curadora ressalta que a região vive, ainda, um processo de muita invisibilidade. “Às vezes, a seta vira para cá, mas por conta de uma pauta, por exemplo, de representatividade. É preciso ainda, pedagogicamente, ter uma cota, até que o eixo centro-sul se acostume e nos coloque num pé de igualdade de discussão crítica, de percepção, de conhecimento de um lugar”, argumenta. “Eu vislumbro uma grande abertura de caminho, para apresentar estes artistas, levantar esta discussão ao nível de uma Bienal. E que as pessoas vejam aqui um sistema de arte consolidado.”

SERVIÇO
1ª Bienal das Amazônias
De 3/8 a 5/11 de 2023
Direção executiva: Lívia Condurú
Direção artística: Yasmina Reggad
Curadoria: Flavya Mutran, Keyna Eleison, Sandra Benites e Vânia Leal
Endereços e horários de visitação a serem divulgados

 

Cadastre-se na nossa newsletter

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome