Aberturas

Insituições

Neide Sá, A Corda, 1967

Arte-Veículo, coletiva no Sesc Pompéia, abertura 28/8

A exposição coletiva destaca o uso da mídia de massa brasileira como um espaço de intervenção artística. Com curadoria de Ana Maria Maia, a mostra é resultado da pesquisa iniciada com a Bolsa Funarte de Estímulo às Artes Visuais e reúne 47 artistas e grupos estudados por ela. No dia 28 de agosto, durante a abertura, haverá as performances A corda, às 20h, e Vera Verão, às 21h.


Minerva Cuevas, Disidencia v. 2.0, 2008-2010

Minerva Cuevas: Dissidência, individual no Videobrasil, abertura em 30/8

Em parceria com a Galeria mexicana Kurimanzutto,  a mostra aposta no casamento da arte e do ativismo, em um momento marcado  por alterações na legislação que dizem respeito ao uso de agrotóxicos, o desmatamento da Amazônia e a demarcação de terras indígenas no Brasil.

Com uma produção artística marcada pela utilização do humor e da ironia na abordagem de temas político e ecológicos, “Dissidência” reúne sete sete obras em vídeo e uma projeção de slides. Há significativo recorte e demarcação da oposição e contestação ativa, como explica Gabriel Bogossian, curador ao lado de Solange Farkas.


German Lorca, Oca, parque do Ibirapuera (Ibirapuera Park), 1954. Cortesia da Galeria Utopica.

German Lorca: Moisaico do Tempo, individual no Itaú Cultural, abertura em 25/8

Um dos pioneiros da fotografia moderna brasileira ganha retrospectiva que marca 70 anos de sua carreira através de suas obras. Com curadoria de Rubens Fernando Jr. e assistência de José Henrique Lorca, a exposição conta com suas fotografias mais icônicas e apresenta também a transição entre suas diferentes facetas de atuação. Além disso, retratos de família, a primeira fotografia tirada por Lorca, autorretratos, medalhas, certificados, troféus e até mesmo registros que outros fotógrafos fizeram do artista dão corpo à retrospectiva.


Galerias

Romy Pocztaruk, Bombrasil 3, 2018

Romy Pocztaruk: BOMBRASIL, individual na Zipper, até 15/9

A artista traz simulações, refletindo sobre a posição a partir da qual interage com diferentes lugares e as relações entre os múltiplos campos e disciplinas com a arte. Diversas vezes premiado, o trabalho de Romy está presente em coleções como Pinacoteca do Estado de São Paulo e Museu de Arte do Rio.


Berna Reale, Comida Batizada, 2018

Berna Reale: Gula, individual na Galeria Nara Roesler, em SP, abertura em 25/8

Primeira exposição de Berna Reale na galeria é composta por seis séries fotográficas e uma instalação. Nela, a artista mantém “o mesmo eixo de questionamentos, mudou de direção, tornou-se menos explícita, menos literal, exigindo do espectador a decifração de signos mais sutis”.


Eugenio Dittborn, Nueve Sobrevivientes III (Plumas), 1943

Estratégias Conceituais, coletiva na Bergamin & Gomide, abertura em 25/8

Estratégias Conceituais é um experimento de inserção que reúne mais de 40 artistas e o dobro de obras. A exposição propõe-se ao excesso, que contamina os objetos que hoje tendem a transformar-se em mercadorias de grande circulação. Por meio da apresentação de estratégias de produção e disseminação, por vezes ideologicamente distintas obtém-se o resultado do confronto com o contexto do espaço expositivo de uma galeria de arte comercial no início do século XXI.


Antonio Dias, Labor Berlin, 1989

Antonio Dias: 1980-1989, individual no Auroras, abertura em 25/8

Para o espaço, “a produção de Antonio Dias durante a década de 1980 é marcada por uma compilação de gestos e símbolos e pelo interesse do artista em experimentar com materiais pictóricos orgânicos. Utilizando telas e folhas de jornal como suporte, Dias edifica essas obras entre as experiências construtivas e a arte povera, propondo algo que transborda as demonstrações lógicas, com uma certa espessura e apelo tátil da pintura”.


Artur Lescher, Aniltak, 2018

Artur Lescher, individual na Galeira Nara Roesler, abertura em 25/8

A exposição na Galeria Nara Roesler SP contará com texto de autoria de Juliano Pessanha, autor convidado da Flip 2018 e ganhador do prêmio APCA pelo livro Testemunho Transiente (Cosac Naify, 2015).

Há mais de trinta anos, Lescher apresenta um sólido trabalho como escultor, resultado de uma pesquisa em torno da articulação de matérias, pensamentos e formas. Neste sentido, o artista tem no diálogo singular, ininterrupto e preciso com o espaço arquitetônico e o design, e na escolha dos materiais, que passam pelo metal, pedra, madeira, feltro, sais, latão e cobre, elementos fundamentais para reforçar a potência deste discurso.


Yan Xing, The Aesthetics of Resistance, 2015

Yan Xing: Opfer, individual na Galeria Jaqueline Martins, abertura em 25/8

Duas instalações conceitualmente relacionadas exploram temas como negatividade, destruição, resistência e ordem, assim como suas possíveis ligações. Opfer, que significa ‘’vítima” em alemão, presta homenagem ao último filme do diretor russo Andrei Tarkovsky, “O sacrifício”.  Por meio de estratégias intensas, a exposição explora criticamente a fabricação das narrativas na arte, na literatura, no cinema e teorias críticas.


Maria Laet, Dobra, 2015,

Maria Laet: Poro, individual na Galeria Marília Razuk, abertura em 27/8

Suave, silenciosa e pendular. Sem origem ou destino, como um corpo que
existe por si só, a obra de Maria Laet reverbera o essencialismo da
matéria. De forma quase instintiva, a artista se atém aos detalhes que
passam despercebidos por olhares apressados e constrói intervenções
poéticas, nas quais reflete o tempo e questiona, sutilmente, limites. Eis a linha que conduz Poro.


Andre Komatsu, ‘Acordo Social’, 2018

Andre Komatsu: Estrela Escura, individual na Galeria Vermelho, abertura em 25/8

O artista traz sua sexta exposição à Galeria Vermelho: Estrela Escura. Há destaque de personagens e qualidades comumente marginalizados no cotidiano. Por meio de novos desenhos, esculturas, pinturas, assemblages e instalações, Komatsu fala de um Brasil e mundo construídos pelo trabalhador e uma cultura de tendências e doutrinas esvaziadas. Além disso, o recolhimento em dispositivos de segurança – de residências com muros à literatura jornalistica que se segue, os desvios éticos que acompanham as tendências histórias, políticas e artísticas formadoras da América Latina são abordados.


Iran do Espírito Santo, ‘UHT 4’, 2018

Iran do Espírito Santo & Fred Sandback, dueto na Carpintaria, no RJ, abertura em 25/8

O dueto, realizado em conjunto com o Fred Sandback Estate e a David Zwirner Gallery, sublinha as afinidades criativas das vastas produções artísticas da dupla, ainda que suas trajetórias estejam separadas por intervalos geracionais e distâncias geográficas.


Feira

20ª edição da feira terá dezenas de expositores. FOTO: Julia Moraes /Divulgação

20ª Feira Tijuanana Casa do Povo, nos dias 25/8 e 26/8

A Feira Tijuana de Arte Impressa é a primeira feira de publicações e livros de artista organizada no Brasil. Desde 2009, compila apresentação, distribuição e comercialização de publicações, livros de artistas, gravuras, pôsteres, etc.
De lá para cá, a Feira especializou-se em conectar editoras da América Latina e, desde 2016 tornou-se itinerante, tendo edições em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Lima e Buenos Aires.

 

 

 

 

Inscreva-se em nossa newsletter

   

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome