Candombe (circa 1930) de Pedro Figari. Foto: divulgação MASP

Até o momento, o isolamento social é necessário para ajudar a achatar a curva de contágio do novo coronavírus; no estado de São Paulo, por exemplo, permanecem autorizados a funcionar apenas serviços essenciais, e a quarentena foi ampliada até o dia 31 de maio devido ao aumento do número de casos e mortes. Enquanto este período de recolhimento permanece, algumas instituições culturais apostam em novos projetos na web para trazer um pouco dos seus acervos e conteúdos para os internautas. Confira algumas novidades entre essas iniciativas:

MASP: Diálogos no Acervo

Já eram conhecidos o MASP Aúdios e a parceria do MASP com o Google Arts & Culture, que resultou na exibição online de 1.000 dos 8.000 ítens do acervo permanente do museu. Como forma de contornar o isolamento, a instituição começou o MASP em Casa, que revisita esse acervo e traz o perfil das obras em postagens nas suas redes sociais. 

Continuando a investir em uma empreitada digital, o MASP lançou também o [Curadoria] em Casa e uma série de lives no Instagram. O primeiro convida a equipe curatorial do museu a escrever, a partir de uma perspectiva pessoal, sobre uma obra ou lembrança de alguma forma relacionada ao MASP. 

As tentações de Santo Antão (circa 1500), de Hieronymus Bosch. Foto: divulgação

Agora, o MASP está movendo seu projeto Diálogos no Acervo para o Instagram. Com isso, seguidores serão apresentados a obras do acervo do museu por meio de elementos que compõem cada trabalho, como biografia do artista, técnica e contexto histórico. O Diálogos no Acervo será realizado sempre às terças às 16h, como uma forma de trazer as visitas guiadas presencialmente para o ambiente virtual. A primeira edição do Diálogos aborda a obra Candombe (circa 1930) de Pedro Figari; no dia 19 de maio o programa segue com As tentações de Santo Antão (circa 1500), de Hieronymus Bosch; no dia 19/5, e em 26 de maio é a vez de Campo de ação/campo de visão (2017), de Daniel de Paula.

#PaçoEmTodoLugar continua a explorar virtualmente a história da instituição

Seguindo a proposta Cultura em Casa, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, o Paço das Artes lançou, em 22 de março, a campanha #PaçoEmTodoLugar, apresentando uma programação nas redes sociais com conteúdos sobre a história da instituição, ações artísticas, educativas e interativas que envolvem projetos de artistas e exposições que já passaram pelo Paço das Artes.

A história da instituição – com memórias e depoimentos de quem fez parte da construção do Paço – foi o tema das postagens da primeira semana do projeto, que agora chega em sua quinta rodada temática. A programação da próxima quinzena gira em torno de “Paradoxo(s) da Arte Contemporânea: diálogos entre os acervos do MAC USP e do Paço das Artes”, mostra que aconteceu em 2018 com curadoria de Priscila Arantes e Ana Magalhães. A questão do paradoxo surgiu de uma reflexão proposta por Regina Silveira na obra “Paradoxo do Santo”, instalação que nos chama a pensar os conflitos de dominação da América Latina, contrapondo a imagem popular de Santiago Apóstolo à sombra projetada do monumento dedicado a Duque de Caxias. Tal conceito de paradoxos e contradições percorreu todos os trabalhos da mostra que apresentou obras de Alex Flemming, Fabiano Gonper, Felipe Cama, Nazareno Rodrigues, Rosângela Rennó, entre outros.

Seguindo nessa mesma linha, a próxima quinzena do #PaçoEmTodoLugar – que será finalizada em 24 de maio – vai explorar os paradoxos entre o público e o privado, ressaltando artistas cujas produções lidam com ambos os espaços.

“Convivência” (2020), Ana Teixeira. Foto: divulgação

Entre as ações destacam-se Convivência, de Ana Teixeira, projeto que a artista começou a desenvolver no início de seu confinamento em função da pandemia do coronavírus, e conversas com Giselle Beiguelman e Thiago Honório, além da apresentação de alguns de seus trabalhos nas redes sociais do Paço.

Itaú Cultural traz gratuitamente festival de filmes etnográficos e documentários

Esta é a última semana para checar os filmes da Janela Forumdoc – mostra com seis produções brasileiras exibidas na 23ª edição do Forumdoc: Festival do Filme Documentário e Etnográfico, realizado anualmente em Belo Horizonte. Yãmiyhex – As mulheres-espírito; Antonio e Piti; Eleições; Banquete Coutinho; Enquanto Estamos Aqui; e Mãtãnãg, a Encantada estão disponíveis no site do Itaú Cultural até o dia 19 de maio. Embora façam parte de uma mesma seleção, o cerne das histórias é diverso e também seus formatos; Mãtãnãg, a Encantada (Dir.: Charles Bicalho e Shawara Maxakali), por exemplo, é um curta-metragem de animação falado na língua Maxakali sobre um conto de amor com viés transcendental, enquanto Eleições (Dir.: Alice Riff), é um documentário que retrata a rotina de uma escola estadual do centro de São Paulo, durante as eleições do grêmio estudantil. Vale checar cada um dos seis filme exibidos gratuitamente. 

Frame do filme “Enquanto Estamos Aqui”, de Clarissa Campolina e Luiz Pretti. Foto: divulgação

Além do festival de filmes, até dia 17 de maio o Itaú Cultural participa, no Twitter, da sétima edição do MuseumWeek, organizado pela Culture For Causes Network. O MuseumWeek é inteiramente dedicado às instituições culturais nas mídias sociais. Em 2020, as ações são desenvolvidas em torno do tema União, ainda mais relevante agora. Mesmo englobadas em um tema maior, as postagens das instituições seguem hashtags diferentes a cada dia, entre elas Clima, Tecnologia e Sonhos. 

Confira outras iniciativas virtuais do Itaú Cultural neste link.

 

Inscreva-se em nossa newsletter

   

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome