Valter Hugo Mae
O autor é o homenageado da Fliaraxá 2019. Foto: Fronteiras do Pensamento / Greg Salibian

O escritor Valter Hugo Mãe é, além de um dos nomes mais queridos da literatura lusófona, um amante das artes plásticas. Ele tem criado e divulgado ilustrações em suas redes sociais e, inclusive, já ilustrou uma edição de sua obra O paraíso são os outros.

Nascido em Angola quando ainda colônia, mas criado em Paços Ferreira, em Portugal, ele já alcançou também, com sua obra, diversos países para além da língua portuguesa, como a Croácia, a Colômbia, Israel, Sérvia e Irlanda, dentre outros. Neste ano, o autor é o homenageado do Festival Literário de Araxá, em Minas Gerais, carinhosamente apelidado de Fliaraxá, que acontece entre 19 e 23 de junho. Além de Valter, a feira se debruça sobre a vida e obra de Machado de Assis, patrono do evento em 2019.

A convite de Afonso Borges, criador e curador do Fliaraxá, Valter criou uma série de ilustrações para a identidade visual do festival. Desde pequeno, conta o autor, diziam que ele seria pintor quando crescesse: “Mas isso não aconteceu. Nas palavras, por outro lado, eu vivia surpreendido”.

À ARTE!Brasileiros, ele conta um pouco sobre sua aproximação das artes plásticas e sobre como ela se encaixa hoje em sua vida. Além disso, o autor comenta sobre as pautas de educação e cultura na atual situação política brasileira:

ARTE!Brasileiros – Quando sua conexão com as artes plásticas começou?

Valter Hugo Mãe – Quando era menino, constantemente me diziam que cresceria para ser pintor. Eu passava a vida desenhando. Na verdade, secretamente pensava que as palavras seriam mais importantes e vivia frustrado porque a mão não conseguia pintar o que eu queria ver. Desenhava muito na esperança de haver um traço puramente milagroso que revelasse alguma maravilha. Mas isso não aconteceu. Nas palavras, por outro lado, eu vivia surpreendido. Minha cabeça ficava suspensa sobre um verso. Como se a alma subisse para lá do corpo e observasse o mundo espantada.

Nesta generosidade das palavras, e na dificuldade das artes plásticas, cresci. Usando palavras e adiando as artes até hoje.

“Na verdade, secretamente pensava que as palavras seriam mais importantes e vivia frustrado porque a mão não conseguia pintar o que eu queria ver”

As formas que você trabalha são mais desenhos e pinturas?

Eu desenho com uns pinceis muito malucos que têm seu depósito próprio para tintas de água. É coisa de artista meio preguiçoso ou inexperiente. Vivo obstinado. Levo comigo para o café e fico repetindo formas até que elas pareçam melhores. Até saber fazer algo que não sabia até então. É muito desafiador. Com o tempo, a mão, afinal, encontra pequenas coisas, certas conquistas que, na minha idade, não são mais arte, são apenas uma curiosidade.

Tenho a impressão de que algumas pessoas fora de Portugal encaram seus trabalhos com artes plásticas apenas como se fossem uma espécie de hobby seu, sendo que tudo faz parte de todo um trabalho. Você já realizou inclusive exposições e ilustrou seus próprios livros. Você tem essa impressão às vezes? O que diria sobre isso?

Sou, de verdade, um amador, alguém que ama as artes plásticas e tenta fazer algo por graça. Fiz uma exposição há doze anos. Farei outra este ano. Não quero que considerem que faço parte dos artistas, quero que vejam como um escritor que cria umas figuras malucas que podemos ver. Talvez poéticas, talvez divertidas, sobretudo, seria a minha glória, que se entenda que busco algo muito intuitivo que não corresponde a sabedoria alguma, a escola nenhuma, será decorrente de uma necessidade de ficar livre. De criar uma expressão que me ofereça a liberdade possível.

Para a Fliaraxá 2019, da qual você é o homenageado, você criou todo um projeto de artes visuais. Como foi o convite para fazer essas ilustrações e como foi fazê-lo?

Culpa do Afonso Borges que viu um pequeno pássaro e pediu que eu inventasse algo. Inventei um Machado de Assis e um Valter Hugo Mãe que juntei em algumas poses. Eu sorri desenhando. São como desenhos de criança. Muito simples. Eu não saberia fazer nada mais complicado. Eu queria apenas que o Afonso me garantisse fazer sentido. Não era, não seria nuca, para mim, uma questão aparecer como artista plástico no festival (ou em lugar algum). O Afonso gostou e considerou divertido. O projeto avançou.

Tem vontade de expor aqui no Brasil?

Não sei se devo. Expor aqui junto a casa [em Portugal] posso dizer que é para juntar a família. Expor no Brasil vou parecer querendo mais do que posso querer. Mas adoro desenhar. Quem sabe, tão obstinado como sou, se dentro de uns anos acredito valer a pena?

A capa de As mais belas coisas do mundo, um dos livros que você está lançando agora no Brasil pela Biblioteca Azul, traz na capa uma arte do Nino Cais. Que outros artistas brasileiros você acompanha? E pelo mundo?

Eu acompanho muitos. No Brasil, além do Nino, eu sou maravilhado pelo Eduardo Berliner. Ele fez as imagens de quatro romances meus na Biblioteca Azul. Ele não é normal, é absolutamente excepcional. O Alex Cerveny também. Que maravilha suas linhas, seus animais.
Depois, há uma infinidade com quem nunca trabalhei mas por quem suspiro, desde o Vik Muniz à Adriana Varejão, ao Ernesto Neto, Cildo Meireles, Regina Silveira, ou aos já falecidos Tunga (que génio) e Artur Bispo do Rosário. A arte brasileira é de uma vastidão generosa e fascinante. Sigo querendo saber.
No plano internacional, eu sou admirador de alguns bem obscuros, como David Tibet, Laurie Lipton, Odd Nerdrum e Fatima Ronquillo, ou dos já clássicos Bosch, William Blake (uma das minhas paixões mais absolutas), e Bacon. Em Portugal, permita-me destacar, por exemplo, entre vivos e mortos, Artur do Cruzeiro Seixas, Vihls, Álvaro Lapa, Graça Morais, Paula Rêgo, minha amiga Isabel Lhano, Juan Domingues e os desenhos de José Rodrigues. Enfim. A lista deveria ser muito, muito mais extensa.

“Professores e mais professores são os bravos soldados de todas as nações”

Observando o engajamento seu em solidariedade às questões que envolvem a educação e a arte na política do Brasil hoje, não poderia deixar de pedir para que você falasse um pouco sobre como tem visto tudo isso.

Lamento profundamente que, depois de se tornar o país prometido do século XXI durante o primeiro tempo de Lula, o Brasil venha sucumbindo à corrupção ao ponto de perigar todos os direitos conquistados. Lamento profundamente que as coisas mais óbvias sejam hoje colocadas em causa, como a educação e a cultura. Penso ser aberrante que se possa duvidar acerca da importância da educação. Só pode ser demência ou gesto bandido justificando o ataque ao ensino. A cultura, que gera identidade, autoestima, inventimento, é sujeita constantemente a ataques, no entanto, não há como acabar com a pulsão para a criação. A arte vai existir sempre e vai sempre esperar a liberdade. Já a educação, se for eliminada, é eliminado o próprio país. Porque um bando de ignorantes será tão-só um grupo animal devorando o que foi feito, sem saber produzir nada. Sem saber contribuir, nem para o presente, nem para o futuro. A democracia é educação. Sem distribuir por todos o acesso à escola você NUNCA alcançará justiça alguma. O fortalecimento das pessoas acontece pela instrução. Só isso pode potenciar cada pessoa ao ponto de dizermos que, dentro de sua específica diferença, cada um viveu uma oportunidade igual. Cada um é igual. Não existam dúvidas acerca disso. Progresso é escola. Democracia é escola. Liberdade é escola. Futuro é escola. Humanidade é escola. Professores e mais professores são os bravos soldados de todas as nações. Seus ofícios são os de salvar o futuro.

6 COMENTÁRIOS

  1. Sublime e profunda esta entrevista com Walter Hugo Mãe. Pena que a naioria de quem se interesssa e lê, são os que tem pensamento crítico. Enquanto isso, quem deveria receber estas pérolas de consciência, estão de olhos fechados…

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome