Vista e detalhes da instalação
Vista e detalhes da instalação "Circa", de Anna Bella Geiger, montada na Bienal de Istambul de 2019.
instalação "Circa",
Vista e detalhes da instalação “Circa”, de Anna Bella Geiger, montada na Bienal de Istambul de 2019. Foto: Gabriela de Laurentiis.

 

 

 

 

 

Por Gabriela de Laurentiis

“Todo mundo sabe que cidades foram feitas para serem destruídas”. Essas palavras grudaram em meus pensamentos sobre a obra Circa, montada pela artista Anna Bella Geiger na 16ª Bienal de Istambul. Circa traz significados semânticos e poéticos de um tempo incerto, algo ocorrido para o qual não há precisão de datas. Geiger produz uma instalação na qual se conjugam construções efêmeras – realizadas em areia, cimento seco, terra — e objetos pré-fabricados —, como uma pequena réplica de uma casa Bauhaus, um trenzinho e pedaços de vidro que formam uma piscininha. Há, ainda, um vídeo construído em conversação com a ópera Akhnaten de Philip Glass.

A primeira instalação da obra foi realizada como parte do Projeto Respiração (2006), na Casa Museu Fundação Eva Klabin, Rio de Janeiro, com curadoria de Marcio Doctors. A escolha dos materiais faz com que o trabalho ganhe, a cada montagem, características singulares. Entre as especificidades da montagem de Istambul estão as estradas de areia branca, inspiradas nas vistas áreas durante a vigem do Brasil para Turquia: “Eu notei essas estradas no meio do deserto. Esse traçado das estradas eu não tinha feito em nenhuma das instalações anteriores”, diz Anna Bella Geiger. 

Elaborações poéticas a partir de mapas, arquiteturas e espacialidades são marcantes na prática artística de Geiger. Em Circa, essas discussões ganham a forma de uma cidade fantástica/fantasmagórica com configurações temporais-espaciais descoladas de periodizações lineares. Para a pesquisadora e artista Ana Hortides, que realizou uma série de montagens da obra, incluindo a da Bienal de Istambul, “Circa apresenta uma espécie de cidade que mescla, à primeira vista, diferentes culturas e espaços temporais em situação de ruínas, ou aparentemente, próximas a ruir”.

Vista e detalhes da instalação “Circa”, de Anna Bella Geiger, montada na Bienal de Istambul de 2019. Foto: Gabriela de Laurentiis.

A fragilidade da matéria e as construções arquitetônicas em desmanche trazem uma sensação de destruição, de um território sendo devastado. Geiger lembra que a primeira construção de Circa estava envolta no imaginário da Ocupação do Iraque – que ocorria três anos antes – adensando, por meio das palavras, as sensações de devastação operadas pelas formas e as matérias da instalação.

Os sentidos da obra expandem-se na situação da Bienal de Istambul, que com curadoria de Nicolas Bourriaud leva o título O Sétimo Continente. A expressão se refere a uma área flutuante no Oceano Pacífico de três milhões e quatrocentos mil quilômetros quadrados composta por sete milhões de toneladas de plástico.

Entram em curso na Bienal de Istambul os impactos da ação humana em dimensões catastróficas no marco do Antropoceno — conceito dos pesquisadores Paul Crutzen e Eugene Stoermer para denominar a Era geológica efeito da atuação humana no globo — ou do Capitalocene — como proposto por Andreas Malm, dimensionando politicamente essas questões contemporâneas1. As guerras motivadas por interesses econômicos entrecruzados com problemas religiosos, os impactos nas infraestruturas de recursos básicos e nos modos de vida existentes em diversas regiões do planeta compõem a contemporaneidade. Circa traz essa dimensão.

A obra foi montada no prédio projetado por Emre Arolat, que a partir de 2020 abrigará o Museu de Pintura e Escultura de Istambul. Ali também foi exibido, entre outros trabalhos, o vídeo O Peixe (2016), do alagoano Jonathas de Andrade. Adentrando o prédio, é impossível desconsiderar as vistas das numerosas janelas. Da grande maioria delas o que se pode ver no exterior são trabalhadores, andaimes e estruturas inacabadas. Forma-se um canteiro de obras em meio às águas do Bósforo, prédios e mesquitas, que compõem a paisagem da região,  no momento passando por um grande projeto de reurbanização.

A arquiteta e artista Laura Nakel conta que “a transformação do antigo Armazém n˚5 na orla da região de Karaköy em Museu compartilha características com grandes empreendimentos recentes, como o Puerto Madero em Buenos Aires, o Porto Maravilha no Rio de Janeiro e o V&A Waterfront na Cidade do Cabo”.

Vista e detalhes da instalação “Circa”, de Anna Bella Geiger, montada na Bienal de Istambul de 2019. Foto: Gabriela de Laurentiis..

A produção de Circa nesse local tem como efeito um questionamento sobre as relações entre o dentre o fora do Museu. A cidade em ruínas de Geiger faz pensar nas construções de Istambul e vice-versa. Como lembra Geiger, Circa lida com “questões relativas à espiritualidade, memória, história e estórias, em uma dimensão de um espaço tempo que se estende”. Na cidade de Istambul, todas essas questões ressurgem na própria estruturação do espaço urbano, por vezes em dimensões catastróficas. Nakel lembra que na região do Museu ocorre “um processo que começa nos anos 1990, no qual galerias e coletivos de arte ocupam os antigos armazéns abandonados iniciando um processo de gentrificação da região, intensificado com a chegada dos grandes investidores privados”.

Na travessia entre continentes, entretanto, as construções de Circa ganham uma outra camada de possibilidade: de uma transformação esperançosa. Para Hortides, “a inclusão de uma terra molhada, viva e aparentemente fértil faz com que na montagem da Bienal de Istambul a passagem do tempo contenha um pouco mais de esperança no que está por vir, prenúncio de construção e transformação, apesar das catástrofes”. Anna Bella Geiger, com suas travessias por tempos incertos, faz imaginar espaços múltiplos e agonísticos, elaborando uma poética vibrante e viva.

 

¹ Bourriaud, N. “The Seteventh Continet: These Upon Art In The Age Of Global Warming”. In Seventh Continent. Catálogo da 16ª Bienal de Istambul. Istambul, 2019. P.47.


*Gabriela De Laurentiis é artista visual e pesquisadora. É autora do livro Louise Bourgeois e modos feministas de criar. É graduada em Ciências Sociais na PUC-SP e mestra pelo Departamento de História Cultural na UNICAMP. Atualmente é doutoranda na FAU-USP, com uma pesquisa sobre Anna Bella Geiger, sobre quem escreve para esta edição.

Inscreva-se em nossa newsletter

   

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome