Ícaro Lira, Museu do Estrangeiro, 2015-2017

Ícaro Lira, Museu do Estrangeiro, 2015-201721ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil, convocatória para seleção de artistas, até 10/8

Inscrições de obras em qualquer formato e linguagem vindas do Sul Global, de países de língua portuguesa e de integrantes de povos originários de qualquer país. Os artistas selecionados participam da exposição no Sesc 24 de maio e nas atividades paralelas no Galpão VB (São Paulo, Brasil), entre outubro de 2019 e fevereiro de 2020 e passam a concorrer a cinco prêmios, concedidos por um júri internacional.


100 anos de Athos Bulcão, individual no CCBB-SP, abertura em 01/8

A exposição, com curadoria de Marília Panitz e André Severo, oferece ao espectador a possibilidade de conhecer o seu especial processo de produção, com a exibição de mais de 300 trabalhos, alguns dos quais inéditos, realizados entre os anos 1940 e 2005. Obras de artistas mais jovens que direta ou indiretamente foram influenciados por Athostambém serão apresentadas.


Thiago Honório, Pau-Brasil, 2014

Verzuimd Braziel: Brasil Desamparado, coletiva no Museu Histórico Nacional, até 16/9

Exposição faz parte de um conjunto de mostras vencedoras do Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça, que estão em cartaz no MHN. Coletiva do curador premiado Josué Mattos tem André Parente, Anna Bella Geiger, Carla Zaccagnini, Cildo Meireles, Clara Ianni, Dalton Paula, Daniel Jablonski & Camila Goulart, Daniel Santiago, Ivan Grilo, Lourival Cuquinha, Regina Parra, Regina Silveira, Santarosa Barreto, Thiago Honório, Thiago Martins de Melo e Vitor Cesar.


 

Rodrigo Torres, série Neolític Express, 2018

Rodrigo Torres: Mr. Fusion, individual na SIM Galeria em São Paulo, abertura em 28/7

O artista expõe 14 obras, de conceito análogo ao gadget cinematográfico, e traça um paralelo entre globalização, passado e futuro por meio de obras de arte em cerâmica. As peças indicam a renovação das formas de trabalhar a escultura, que ganhou novos rumos a partir da década de 1960 no Brasil pelas mãos de personalidades como Tunga, com sua transcendência onírica, e Helio Oiticica, criador dos interativos ‘Bólides’.


Flávio Shiró, Sem título, 2007

Flávio Shiró: Flávio Shiró, individual na Pinakotheke em SP, até 11/8

O artista comemora 90 anos de idade com exposição que remonta 70 deles dedicados à arte. Com curadoria de Max Perlingeiro e do próprio Shiró, a mostra é uma retrospectiva que reúne 26 pinturas, 12 obras sobre papel, fotografias, objetos pessoais e cinco curta-metragens, com direção de Adam Tanaka e Margaux Fitoussi.


Alberto Ferreira, Pé Ante pé, 1960

Alberto Ferreira: Intuição, individual na Lume, abertura em 2/8.

Com curadoria de Paulo Kassab Jr., a mostra apresenta ao público 15 obras do fotógrafo – nove delas inéditas, redescobertas recentemente de seu acervo. “Alberto Ferreira tinha a intuição que faz com que os grandes fotógrafos prevejam os fatos frações de segundos antes de acontecerem. Recortou cada segundo dos lugares por onde passou para tornar cada uma de suas fotografias cada uma imagem definitiva”, afirma o curador.


Vitor Mizael: Naturam Impossibile, individual na galeria Murilo Castro em BH, até 26/8

A exposição é composta de um conjunto de desenhos, pinturas e instalação.
Pássaros que não voam, que estão presos uns aos outros, que não pousam, plantas que florescem mesmo tendo suas raízes expostas.  Além da impossibilidade real da existência dessas criaturas elas também nos remetem ao prazer e a dor de estarmos ligados uns aos outros, de voar sem ter pouso ou repouso, da necessidade de nossas raízes mas do perigo de expor o nosso cerne e o desejo intenso de fazê-lo.


Delson Uchôa, Flor do Cerrado

Delson Uchôa: Autofagia – Eu Devoro Meu Próprio Tempo, individual na galeria Anita Schwartz Galeria de Arte no RJ, até 18/8

Com obras em prestigiosas instituições brasileiras e estrangeiras, uma característica desta produção de Delson Uchôa é o que ele chama de “autofagia”. Frequentemente ele volta a um trabalho antigo e o amplia, enxertando outras pinturas ou pedaços de seu “banco de pele”, as sucessivas camadas de pintura sobre resina retiradas do chão.


Simone Fontana Reis, Nem Tudo que Reluz é Ouro

2o. Círculo de Mulheres, conversa no MuBE, em 2/8

Simone Fontana Reis convida para uma reflexão sobre o papel da mulher na transformação da paisagem e sua ligação com a preservação do meio ambiente. Para direcionar a conversa, modos de vida de sociedades ancestrais amazônicas estarão em pauta. Participam do debate, o curador do museu, Cauê Alves, a ativista indígena Cristine Takuá, entre outras profissionais convidadas: antropólogas, arquitetas, outras lideranças indígenas, artistas, escritoras, biólogas, curadoras, filosofas, arqueólogas, geólogas, paisagistas e decoradoras. O encontro é aberto ao público de todos os gêneros.

Inscreva-se em nossa newsletter

   

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome