Exposição “Fixação”

sab18mai12:00ter18jun18:00Exposição “Fixação”Artista mergulha nas profundezas das emoções e transforma performances gravadas em pinturas que retratam momentos de intimidadeGaleria Izabel Pinheiro, R. Barra Funda, 849 - Santa Cecília, São Paulo - SP

Detalhes

Marina Quintanilha apresenta a individual Fixação, em cartaz a partir do dia 18 de maio, na Galeria Izabel Pinheiro. A artista mergulha nas profundezas das emoções, explora o interior – tanto como um espaço físico quanto uma paisagem emocional-, a interação entre força e vulnerabilidade, contida na quietude dos momentos solitários e no movimento contido da existência.

Ao retratar a relação do corpo com seu entorno, Marina convida o espectador a adentrar em um universo misterioso da intimidade, onde a verdade se funde com a imaginação, e as fronteiras entre ficção e o real se tornam tênues. Inspirada pela própria jornada pessoal e complexidades da condição humana, cria pinturas vibrantes, intimistas e bem-humoradas, que desbravam os recantos mais profundos da mente.

“Busco mostrar momentos transitórios que compõem o tecido de nossas vidas, como um meio de explorar as camadas do ser e me conectar com o espectador em um nível profundo. Exagero nas cores e sufoco o objeto no enquadramento, impondo ao olhar de quem vê uma única alternativa. Todos os meus esforços são dedicados à ênfase. Mas não revelo tudo. Deixo lacunas para que o observador participe da criação, fazendo de cada imagem um portal para um episódio íntimo de uma história não contada. Objetos do dia a dia são elevados a símbolos, e gestos simples se tornam atos de expressão que revelam tanto a autenticidade individual quanto a consciência do pertencimento. Convido o espectador a uma troca, um vínculo provisório que resulta do encontro”, declara Marina.

Em suas obras, mulheres, quase nunca com os rostos revelados, são representadas em momentos íntimos: ajeitando os cabelos em frente ao espelho, repousando os pés com unhas vermelhas na borda de uma banheira cheia de água, descansando no sofá, entre outros. Aspectos estéticos se repetem, como o esmalte vermelho, a pele branca, os cabelos castanhos claros e o cenário presumidamente urbano (ainda que a cidade esteja visualmente ausente), mas a interpretação das “histórias” permanece em aberto.

Antes de pintar, a artista realiza performances, encena situações inusitadas que servirão como base para o trabalho final, e as filma. Então transpõe essas imagens produzidas para as telas, mantendo a liberdade de alterar o que lhe parecer necessário. Nota-se aí uma fusão de linguagens: cinema, pintura, TV, selfies para a internet, permeadas pelo gosto pela ficção, humor e por tudo o que há de inusitado na experiência vivida.

“As pinturas fixam mais um indício que um retrato, num jogo de planos refletidos e cortes abruptos. Por um lado, as cenas são aquilo mesmo que aparentam: pessoas em sua intimidade, ocupadas em atividades prosaicas. Por outro lado, é como se a artista nos pregasse uma peça. Afinal, é possível projetar nas imagens daquelas mulheres sozinhas uma expectativa de ‘verdade’, como se nos revelassem a biografia de alguém, ou da própria artista, assim como se projeta o eu-lírico de ‘Fixação’, na voz feminina de Paula Toller”, analisa Mariana Leme, que é autora do texto crítico da mostra.

É como se Quintanilha jogasse com uma lente que se modifica na medida dos desejos e das expectativas, explica Mariana. Porém, nas pinturas “o gesto largo é evidente, assim como o anti-naturalismo da escala e dos enquadramentos. O que se vê são pinceladas que formam carnes, peles, roupas, ladrilhos e outras superfícies em cores saturadas, alto contraste.”

Serviço
Exposição | Fixação
De 18 de maio a 18 junho
Terça-feira a sexta-feira das 12h às 18h, e sábado das 11 às 17h

Período

18 de maio de 2024 12:00 - 18 de junho de 2024 18:00(GMT-03:00)

Local

Galeria Izabel Pinheiro

R. Barra Funda, 849 - Santa Cecília, São Paulo - SP

Outros eventos

Como chegar