Lilian Camelli – Tempos Idos e Vividos
19:00 3 de outubro de 2018 to 19:00 1 de novembro de 2018
Galeria Estação, Rua Ferreira de Araújo, 625 – Pinheiros SP Como chegar

Lilian Camelli – Tempos Idos e Vividos, Galeria Estação, abertura em 03/10

Paralelamente à 33° Bienal de São Paulo, a Galeria Estação apresenta a primeira exposição de Lilian Camelli em seu espaço e a quarta individual na carreira da artista. Paraguaia de nascimento e vivendo em São Paulo desde 1983, Lilian Camelli é uma pintora figurativa que iniciou o ofício já adulta, por volta de 2011. Partindo de fotografias ou lembranças, desenvolve pinturas que remetem sobretudo ao universo feminino, retratos de sua família e a outras memórias afetivas. As cerca de 50 pinturas reunidas foram selecionadas pela escritora e crítica de arte Vera Novis, que assina a sua primeira curadoria na Galeria Estação.

Em seu texto para a exposição, Novis argumenta como a figuração está restrita, basicamente, à fotografia e à arte popular, enquanto o abstracionismo domina a pintura contemporânea brasileira. A curadora estabelece um contraponto entre a arte popular e a produção de Lilian Camelli, ressaltando a figuração em si como ponto de convergência.  “Diferente da arte popular, onde o sentido do movimento é do interior para o exterior e o artista olha para fora de si reproduzindo o que vê ao redor no cenário que inclui homem e natureza, a pintura de Lilian é subjetiva, introspectiva, voltada para si mesma”. Já o pintor e professor Paulo Pasta, que acompanha de perto o trabalho de sua aluna Lilian, afirma: “Gosto da expressão e manutenção da subjetividade na sua obra. Terreno esse, hoje, muito difícil”.

A repetição, segundo Novis, é outra característica na obra de Camelli. Determinados objetos ou ambientes estão presentes em várias obras, como se a memória falhasse à ponto de interromper a criação de determinada cena. São nesses casos que, segundo a curadora, “A artista recorre então à repetição como tentativa de burlar essa interdição. E os quartos são repetidos à exaustão. A repetição em si não é um traço negativo no estilo de linguagem. Basta lembrar as recorrentes marinhas de Pancetti, ou as recorrentes bandeirinhas de Volpi, ou, ainda, as recorrentes montanhas mineiras com igrejinhas brancas de Guignard. A repetição obsessiva em Lilian é a afirmação da sua busca, a não aceitação dos limites impostos pela interdição. Então, aqui e ali, surgem, com toda a carga semântica, os espelhos que duplicam os elementos da cena ou trazem para a cena elementos que estavam fora dela. Surgem também os corredores que deixam apenas entrever, muito veladamente, outros espaços, sugerindo um desdobramento infinito. A presença dos espelhos multiplicadores e dos corredores que se desdobram acentua o gesto que revela o desejo de ir além, ao cerne, ao âmago”, completa.

 Sobre Lilian Camelli

Vive em São Paulo desde 1983. Seu trabalho consiste em pintura figurativa, cujos temas abordam o feminino, as lembranças da sua infância e de sua terra natal. Trabalha a partir da fotografia e da memória. Entre suas exposições destacam-se as coletivas internacionais: I Bienal do Paraguai (Assunção, 2015) 2 Bienal Do paraguay 2017 e a Bienal das Artes de Brasilia ADA ART GALLERY, em Barcelona (Espanha, 2012), BÚSQUEDAS, em Assunção (Paraguai, 2014) e a individual na Casa da Fazenda do Morumbi (São Paulo, 2013). Atualmente faz parte do grupo Pigmento da Casa Contemporânea.

Location

Share our event

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome