Estreia SP: Tunga, o esquecimento das paixões
19:00 to 21:00 - 6 de maio de 2019
Conhecido como Tunga, Antonio José de Barros Carvalho e Mello Mourão
nasceu em Pernambuco e estudou arquitetura e urbanismo no Rio, onde
desenvolveu sua carreira nas artes plásticas iniciada na década de 70.
Filho do poeta e jornalista Gerardo de Mello Mourão e de Léa Barros,
uma das mulheres que posou para o quadro As Gêmeas, de Guignard, Tunga
investigou literatura, filosofia, psicanálise, teatro, cinema e
ciências exatas e biológicas para realizar seu trabalho. Desenhista,
escultor e artista performático, Tunga é considerado um dos criadores
brasileiros mais representativos da arte contemporânea.

E é por meio das múltiplas ações criativas desse artista plástico e
da atuação poética e política de seu pai, que o diretor Miguel De
Almeida se serve para contar as relações das principais ideias entre
política e arte a partir da década de 1970. É o momento no qual as
propostas estéticas/políticas enxergam o Brasil não mais como em
busca de sua identidade, mas se enxerga parte integrante do mundo, e
nele se quer inserido. Passa a discutir questões identificadas com a
humanidade e com o homem; deixa de querer ser regional para se tornar
internacional. São ideias e artes que fazem do mundo o seu território.

O filme usa a trajetória de Tunga, e de seus companheiros de viagem,
como os artistas Miguel Rio Branco e Cildo Meireles, e o criador de
Inhotim, Bernardo Paz, para registrar o reconhecimento internacional das
obras artísticas forjadas no Brasil dentro de um caráter
internacionalista. Não à toa o filme se inicia com a mostra de Tunga
na Pirâmide do Museu Louvre, em Paris, até agora o único artista
contemporâneo do mundo a ocupar aquele espaço.

O contraponto de seu pai, Gerardo Melo Mourão, é usado para explicitar
o choque do arsenal das ideias políticas e filosóficas relacionadas
com a literatura no Brasil do século XX. Do integralismo ao comunismo,
da poesia regional à poesia interlocutora da dicção internacional, do
papel do intelectual e do homem de ação – são alguns dos temas
impressos no percurso de Gerardo Melo Mourão com amplas repercussões
nos passos artísticos de Tunga.

Com depoimentos de Miguel Rio Branco, Paulo Sergio Duarte, Cildo
Meireles, Bernardo Paz, Murilo Salles, Fernando Sant'Anna, Arthur Omar,
Cosmo Tomé da Silva, Leonardo Gomes Guimarães e Zé Mario Pereira,
TUNGA, O ESQUECIMENTO DAS PAIXÕES traz um mergulho na melhor ação
criativa, responsável hoje pelo reconhecimento do artista como um dos
mais expressivos da arte contemporânea mundial.

Deixe um comentário

Por favor, escreva um comentário
Por favor, escreva seu nome

EnglishPortuguese